Cuidado do goianiense com bikes públicas é determinante para ampliação de projeto

Diretor da Unimed afirma que próximas estações já estão mapeadas e adesão da população é um sucesso

Este slideshow necessita de JavaScript.

A menos de um mês em Goiânia, o projeto de bicicletas públicas compartilhadas recebeu boa aceitação da população, o que tem deixado investidores animados e pode culminar em uma ampliação no número de estações.

Segundo Sérgio Baiocchi, diretor de Mercado da Unimed Goiânia, principal patrocinadora do projeto, fator determinante para a viabilidade de expansão do projeto, porém, é a adesão do goianiense ao modal. “A Unimed tem total interesse em ampliar o serviço das bikes. Este é um projeto que vem sendo maturado há muito tempo e estamos muito felizes com os resultados. É um projeto que nos diz respeito enquanto cooperativa de trabalho médico pelos benefícios à saúde que proporciona, mas que é, principalmente, da população.”

“A boa utilização e o cuidado que as pessoas têm tido com o patrimônio público é o que nos permite sonhar em levar a bike para outras partes da cidade. Fazer uma coisa realmente pioneira, como Goiânia sempre fez. Somos uma cidade plana, uma das capitais com maior área verde do País, temos tudo para que isso seja solidificado”, afirmou.

Antes mesmo da implantação do DeBike em Goiânia, já era previsto que as 15 estações hoje em funcionamento na capital seriam apenas o início. A Serttel, empresa concessionária das bicicletas em Goiânia, confirma a existência de planos para extensão do projeto.

Baiocchi afirmou ao Jornal Opção que os próximos pontos já teriam, inclusive, local determinado, mas tudo depende da Prefeitura de Goiânia e da empresa Serttel, em realizar os estudos necessários para a implantação.

“Não temos previsão de quando essas novas bicicletas podem chegar. Sabemos que existem estudos e os próximos pontos já estão inclusive mapeados, mas é um processo gradativo que ainda não tem previsão para sair do papel.”

 

O diretor lembrou ainda que, para que as bicicletas cheguem a todas as regiões de Goiânia serão necessários mais investimentos da prefeitura, especialmente com a ampliação de ciclovias e ciclofaixas. “Não é possível que as bicicletas sejam um corpo estranho, disputando espaço com os carros nas ruas. Fisicamente, é uma disputa desleal. Mas à medida que as pessoas vão mudando seus hábitos, a demanda cresce e a cultura do pedal vai se tornando uma realidade.”

Pesquisa do grupo Serttel divulgada esta semana mostra que a frequência de uso das bicicletas públicas compartilhadas em Goiânia supera em 50% os índices alcançados em cidades como Buenos Aires, na Argentina, e em cidades dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Sistema DeBike

Para utilizar o serviço, é necessário baixar um aplicativo (GynDeBike em celulares Android e DeBike em iOS), se cadastrar e, depois, retirar a bicicleta. A devolução pode ser feita em qualquer dos 15 pontos. Para utilizar o serviço, é possível pagar pela diária (R$ 4), pelo mês (R$ 8), pelo semestre (R$ 35) e pelo ano (R$ 70). O pagamento é feito por cartão de crédito.

A bicicleta pode ser usada por até 60 minutos em dias úteis e por 90 minutos aos domingos e feriados. Depois desse período, é necessário esperar pelo menos 15 minutos para poder voltar a alugar a bike. Se o usuário não a devolver, paga multa de R$ 5. (Com informações da Prefeitura de Goiânia)

Deixe um comentário