Cristiane Schmidt afirma que Goiás não pretende recorrer ao STF contra a União

“Culpa da calamidade fiscal de Goiás não é da União, mas de uma gestão irresponsável do passado”, diz a titular da Economia

A secretária de Economia, Cristiane Schmidt, afirmou ao Jornal Opção que Goiás, diferentemente de outros Estados em crise, como Minas Gerais, não pretende ingressar com ações contra a União_Jornal Opção
Secretária da Economia, Cristiane Schmidt | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

A secretária de Economia, Cristiane Schmidt, afirmou ao Jornal Opção que Goiás, diferentemente de outros Estados em crise, como Minas Gerais, não pretende ingressar com ações contra a União. Esses processos têm aumentado a cada dia no Supremo Tribunal Federal (STF) e garantiram fôlego de até 12 bi aos caixas estaduais.

Segundo a secretária, Goiás já refinanciou sua dívida no passado e vem pagando corretamente o serviço da dívida. “Não planejamos entrar com ação contra a União”, descartou Schmidt. “O que queremos é não descumprir a LRF. Hoje, cumprimos porque existe a EC55, que mascara a verdadeira situação do Estado”, explicou a titular da Economia.

Governo Federal

O governo federal avalia que essas decisões judiciais favoráveis a Estados que deram “calotes” e ainda assim conseguiram garantir repasses federais no STF acaba por enfraquecer a aplicação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e estimulam o comportamento irresponsável das gestões estaduais com as contas públicas.

Goiás

Para Cristiane, o estado de Goiás almeja cumprir a LRF sem a EC55. “A culpa da calamidade fiscal de Goiás não é da União, mas de uma gestão irresponsável do passado”, pontuou a secretária ao destacar que o governo estadual busca atualmente entrar no programa de socorro financeiro do governo federal. “Para que esse ajuste seja menos custoso para os goianos”, defendeu.

“Vamos resgatar financeiramente Goiás e já começamos a arrumar a casa”, finalizou Cristiane Schmidt.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.