Cresce número de denúncias de violência contra o idoso durante a pandemia da Covid-19

A maioria dos idosos estão expostos a um maior período de convivência com o agressor, que normalmente são familiares.

Os casos de violência contra a pessoa idosa na capital aumentaram cerca de 20% comparado ao mesmo período do ano passado. De acordo com o delegado titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Pessoa Idosa de Goiânia (DEAI), Alexandre Alvim, devido pandemia da Covid-19 a maioria dos idosos estão expostos a um maior período de convivência com o agressor, que normalmente são os familiares. E isso tem repercutido no aumento do número de casos.

Alexandre Alvim disse que no início da pandemia o número médio de denúncias caíram. O delegado revela que anteriormente a DEAI recebia uma média de 100 denúncias por mês, os números caíram nos dois primeiros meses de isolamento social para 25 em abril e 46 em maio, de 2020.

Para ele, isso foi um indicativo de subnotificação. Por isso, a delegacia iniciou diversas campanhas de conscientização para alertar a população da necessidade de denunciar. “Desde o início da pandemia já realizamos diversas campanhas no sentido de incentivar a denúncia de terceiros, sejam de vizinhos ou de outros familiares que percebem alguma situação anormal. A partir da denúncia podemos apurar o que realmente está acontecendo naquela residência, o que aquele idoso está vivenciando, se ele realmente está sendo vítima de algum tipo de violência”, pontuou.

Existem diversas formas de violência praticada contra o idoso, conforme apontado pelo delegado, os principais casos são maus tratos, situação de abandono e exploração financeira,  além de violências psicológica e sexual. Sendo que 80% dos casos os autores são os próprios familiares. Há ainda situações de crimes patrimoniais e estelionato.

Segundo a psicóloga Christina Silva Vieira dos Santos, os idosos já enfrentavam os riscos da violência doméstica por seus familiares mesmo antes da pandemia. “Com a necessidade do distanciamento social, as famílias estão isoladas no mesmo ambiente doméstico. Acredito que isso possibilitou o aumento da negligência e  da violência  física e psicológica contra os idosos”, relatou.

Para o delegado Alexandre, as punições em relação aos crimes previstos pelo Estatuto do Idoso são brandas. “Não ultrapassam cinco anos de reclusão. E o mínimo são seis meses. Em alguns casos, conseguimos realizar a prisão do agressor no momento da investigação da denúncia ou solicitamos a medida protetiva para que aquele agressor seja impedido de conviver com o idoso que está sendo vítima”, esclareceu.

Christina Silva Vieira dos Santos alerta para necessidade da conscientização do isolamento físico e dos cuidados paliativos. “Não podemos sujeitar nossos idosos aos riscos de contaminação e violência que acontecem sempre que alguém se omite ou não usa os métodos de prevenção à contaminação. É preciso ter consciência da prevenção e distanciamento,  e também no cuidado da saúde emocional dos seus idosos, tendo paciência e empatia por eles”.

As denúncias de violência contra a pessoa idosa podem serem feitas na sede da DEAI, localizada na Rua 227, no Setor Leste Universitário ou pelos telefones 3201.1501 ou 98412.9767 (WhatsApp), também de forma anônimas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.