Contran adia implantação da placa Mercosul no Brasil

Sete Estados brasileiros já contam com a nova identificação veicular

Foto: Reprodução

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) resolveu adiar a implantação das placas Mercosul no Brasil. De acordo com a Resolução 780, publicada na manhã desta sexta-feira, 28, no Diário Oficial da União, a data passou do próximo domingo, 30, para 31 de janeiro de 2020.

O novo modelo de identificação veicular já é realidade em alguns Estados brasileiros como Amazonas, Bahia, Espirito Santo, Paraná, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, sendo o último o pioneiro.

Segundo informações do portal de notícias da UOL, assim que o novo modelo for adotado no Distrito Federal e demais Estados, o uso da nova placa passará a ser obrigatório tanto no primeiro emplacamento quanto em casos de mudança de município de registro, como alteração de categoria do veículo, furto, extravio, roubo ou dano na placa.

A reportagem mostra, ainda, que foi derrubada a exigência de substituição da placa em caso de transferência do veículo. Isso deve gerar, de acordo com a estimativa do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), uma economia de aproximadamente R$ 3,4 bilhões aos brasileiros. O Denatran registra que a placa Mercosul já é utilizada por aproximadamente 2 milhões de automóveis.

Outras medidas também foram alteradas com a publicação da nova resolução. Dentre elas foi imposta a retirada da película refletiva dos caracteres da placa que passará, com a determinação, a ser estampada em cor sólida. A placa Mercosul também perderá as ondas “sinusoidais”. Elas servem para fortalecer a segurança e evitar a clonagem da identificação do veículo funcionando como uma espécie de marca d’água. Também foi determinada a manutenção do QR Code e atribuído aos Detrans competência de fiscalização dos estampadores. (Com informações da UOL notícias)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.