Constelação Familiar: conheça a terapia alternativa que vem ganhando adeptos em Goiânia

Método já tem sido utilizado pelo Judiciário no auxílio à resolução de conflitos 

A Constelação Familiar é um técnica de terapia alternativa criada pelo alemão Bert Hellinger e indicada principalmente para resolução de problemas ocultos existentes na esfera pessoal, profissional e até de saúde.

O tratamento pode ser feito de forma individual ou em grupo e busca trazer à consciência o que se encontra em um pano de fundo, mas que interfere na vida das pessoas.

A psicóloga e especialista em terapia sistêmica familiar, Nathana Sateles explica que o que surge na constelação encontra-se na consciência emocional do constelado e e está diretamente relacionada com a capacidade de lidar com os sentimentos e dores advindos desse processo.

“Durante uma constelação é comum, por exemplo, você descobrir que a sua ansiedade ou sua fobia de elevador está ligado a algum fato relacionado à sua família que você desconhecia”.

A terapia surgiu depois que  Bert Hellinger viveu por 16 anos na África do Sul como missionário. Lá, ele estudou como as tribos zulus vivem e consideram a família. Foi analisando essa comunidade que o autor elaborou os três princípios básicos da constelação:

1- Pertencimento: dentro do sistema familiar, todos têm direito de pertencer. Mães que perderam o bebê antes de nascer, por exemplo, e só contam como filhos aqueles que nasceram infringem essa regra. “Quando colocamos alguém como excluído, isso de alguma forma influencia negativamente o campo energético”, pontua a especialista Nathana.

2- Equilíbrio entre o dar e receber: No relacionamento entre casal, por exemplo, deve haver um equilíbrio entre dar e receber afeto e atenção.  “Se todo dia eu te faço um agrado e você nunca me agrada, isso causa um desequilíbrio nessa relação”, pontua Nathana.

3 – Hierarquia: Quem chega primeiro tem precedência de quem chegou depois. Primeiro vêm os pais, depois os filhos, em sua precisa ordem de nascimento. O rompimento da hierarquia traz desordem e desarmonia familiar.

A terapia alternativa já tem sido utilizada inclusive pelo Poder Judiciário no auxílio à resolução de conflitos. Pelo menos 15 tribunais do país já utilizam o método. De acordo com a Associação Brasileira de Constelações Sistêmicas, já são 4.000 o número de consteladores no país.

A constelação também tem sido usada para ajudar nas questões relacionadas à saúde. Em Goiânia, o Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás (UFG) criou, em 2006, um grupo de constelações familiares destinado a ajudar pacientes com dor pélvica crônica em tratamento no Ambulatório de Ginecologia do HC.

As normas que regulamentam a atividade em Goiânia ainda são vagas. Para ser um constelador, não é necessário ter formação em psicologia. É preciso apenas ter ensino superior completo e realizar curso de Constelação Familiar. Uma sessão do tratamento pode ser encontrada na capital em valores que variam de R$ 200,00 à R$ 1 mil.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.