O relatório do deputado Delegado Olim (PP) é pela cassação do mandato do parlamentar que teria quebrado o decoro parlamentar após chamar as ucranianas de “fáceis por serem pobres”

O relator do processo contra o deputado estadual Arthur do Val (União-SP) no Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Delegado Olim (PP), entende que deve ser cassado o mandato do mandato do parlamentar. Ele entregou o relatório ao colegiado na última quinta-feira, 7, e o processo deve ser analisado na próxima terça-feira, 12, pelo Conselho da Casa.  

Os membros analisarão qual medida deve ser aplicada ao deputado Arthur do Val após as falas machistas e sexistas do político sobre as mulheres ucranianas que seriam “fáceis por serem pobres”. Entre as medidas está a perda do mandato. Val é alvo de 21 representações de colegas, que pedem a cassação por conta de áudios sexistas do parlamentar durante viagem humanitária à Ucrânia por conta da invasão russa. 

Para o relator Delegado Olim, Arthur do Val quebrou o decoro parlamentar por seu pronunciamento. O político, por sua vez, disse que “recebe com tranquilidade o relatório feito pelo relator da Comissão de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo”. 

“O parlamentar não tem dúvidas de que seus pares se convencerão de que o erro cometido por ele – pelo qual já pediu desculpas – não deve ser punido com o mandato. Os comentários que foram alvo da representação no Conselho de Ética, ainda que indevidos, não constituem crime e não foram feitos durante a atividade parlamentar, já que Arthur do Val estava de licença do mandato”, completou a nota enviada pela assessorai de imprensa do parlamentar. 

[relacionadas artigos=”384240″]

Falas machistas 

O Deputado Arthur do Val foi à Ucrânia em meio à guerra no país, e após deixar o país, na fronteira com a Eslováquia, o deputado enviou um áudio a amigos, elogiando a beleza das refugiadas ucranianas. Em seguida, afirmou que pretende voltar ao Leste Europeu e disse que as mulheres lá são “fáceis” por serem pobres. 

“Assim que essa guerra passar eu vou voltar pra cá. E detalhe, elas olham. E são fáceis, porque elas são pobres. E aqui minha carta do Instagram, cheio de inscritos, funciona demais. Não peguei ninguém, a gente não tinha tempo, mas colei em dois grupos de minas e é inacreditável a facilidade”, disse ele no áudio enviado em um grupo privado no WhatsApp. 

Na chegada ao Brasil, o deputado deu entrevistas confirmando ser o autor do áudio e retirou sua pré-candidatura ao governo do estado de São Paulo e também foi expulso do Podemos, partido ao qual estava filiado. Ele afirmou ter cometido “um erro em um momento de empolgação”.