Veja quais são as principais propostas dos candidatos ao governo de Goiás para a Cultura

Programas já estão protocolados no TRE-GO e disponíveis para a população no site do Tribunal Superior Eleitoral

O três candidatos que lideram as pesquisas atualmente são Ronaldo Caiado (DEM), José Eliton (PSDB) e Daniel Vilela (MDB) | Montagem: Jornal Opção

Desde o início da campanha eleitoral, os planos de governo dos candidatos ao governo de Goiás foram devidamente protocolados no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-GO) e estão disponíveis para todos os eleitores no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Na última semana, o Jornal Opção destacou as principais propostas com relação à Educação, Saúde e Segurança. Confira os destaques do que os governadoriáveis apresentaram para a área de cultura em Goiás:

Daniel Vilela (MDB)

O emedebista e deputado federal Daniel Vilela promete em seu plano de governo que a área cultural voltará a ser administrada por um órgão próprio, com autonomia plena para gerir os destinos da cultura goiana, deixando de ser um apêndice de outra pasta.

Com esta promessa de autonomia administrativa, a proposta listou pontos possíveis como, por exemplo, o fortalecimento do Fundo Estadual de Cultura, da Lei Goyazes e definição de orçamento específico.

Além disso, é sugerido apoio para as entidades culturais e para os grupos formais e informais da área da cultura; e a qualificação dos centros culturais e espaços públicos de cultura. Por fim, o candidato apresenta proposta para implementação de políticas públicas de valorização e de preservação do patrimônio cultural material e imaterial do estado.

José Eliton (PSDB)

O governador José Eliton, que busca a reeleição, tem como objetivo para a pasta da Cultura promover, difundir, apoiar e divulgar a cultura goiana, por meio de um conjunto de ações para fortalecimento das atividades culturais, como identidade e manifestação da população goiana. Além de reconhecer e valorizar, de forma equilibrada, a cultura como tradição e transformação social ligada ao desenvolvimento humano.

O governadoriável promete garantir iniciativas como fortalecer o Fundo de Arte e Cultura e o Programa Estadual de Incentivo à Cultura – Lei Goyazes – desburocratizando o acesso às linhas de crédito e articulando novas formas de financiamento e de captação de recursos; reformar, readequar e modernizar a estrutura física e a gestão dos equipamentos culturais, promovendo
a sustentabilidade dos acervos e a conservação do patrimônio cultural; ampliar o apoio aos festivais e mostras culturais e gastronômicos pertencentes ao calendário cultural
do estado de Goiás e outros pontos.

Além disso, também há comprometimento com a criação de iniciativas inovadoras como, por exemplo, Bolsa de Estímulo Artístico incorporando a atual Bolsa Orquestra, ampliando para outras linguagens artísticas; implantação do Circuito Cultural da Praça Dr. Pedro Ludovico (Praça Cívica); facilitação do acesso à cultura em toda sua dimensão, considerando todas as suas etapas (formação, produção, distribuição, acesso e avaliação); e promover a cultura comunitária e periférica com a valorização das artes urbanas da cultura hip-hop, grafite, DJ, Rap e Dança de Rua. entre outros tópicos.

Kátia Maria (PT)

Em uma proposta bem resumida, Kátia Maria, quer liderar um novo pacto goiano para a promoção de direitos sociais na área daCultura, de forma transversal e participativa. Segundo o plano, “para reverter as desigualdades locais e regionais, é necessário um pacto cooperação e colaboração entre os governos estadual e municipais a fim de garantir os direitos sociais e a qualidade de vida dos goianos”.

Neste sentido, a proposta pontua promover uma educação voltada para o desenvolvimento das pessoas e do Estado e valorizar a cultura para garantir a democracia, a liberdade, afirmar a
diversidade e efetivar direitos.

Marcelo Lira (PCB)

No documento anexado por Marcelo Lira no site do TSE, a menção à Cultura aparece como Cultura Popular. No texto, Marcelo considera a falta de oportunizar uma vivência com as manifestações culturais como um dos maiores problemas de Goiás.

A proposta entende que Cultura não se resume aos grandes espetáculos. Para o candidato, é preciso descentralizar as atividades culturais pelos bairros das cidades, estimular as manifestações artísticas, formação de público e uma política de capacitação e incentivo para os trabalhadores da Cultura, assim como desapropriação de imóveis abandonados nas cidades, para a criação de Centros de Cultura Popular, administrado e organizado por Conselhos Populares, compostos pelos trabalhadores, eleitos e com mandatos imperativos.

Com isso, se propõe a criação e implementação de Centros de Cultura Popular em todos os bairros das grandes cidades e em todas as cidades do interior, articulados a partir das Escolas Públicas, criando-se espaços formativos e de difusão de teatro, cinema, música, artes plásticas, escultura e literatura. O texto diz, ainda que, “cada Centro de Cultura Popular deverá constituir uma biblioteca aberta à população, bem como estruturada para a formação e difusão das artes e da cultura popular”.

Alguns tópicos sugeridos pelo plano de Marcelo consideram democratizar os espaços de decisão sobre as políticas culturais em Goiás, por meio de conselhos populares; fortalecer, aprimorar e democratizar o instrumento de Conferência Estadual de Cultura, como um espaço rico de debates e deliberações sobre a política cultural; garantir de 5% do orçamento do Estado para a cultura e as manifestações de cultura popular; e, até mesmo, revogar todos contratos com OSs junto a escolas técnicas de arte e de educação.

Ronaldo Caiado (DEM)

Em seu plano de governo, Ronaldo Caiado considera que o potencial cultural não é aproveitado do ponto de vista social e econômico em Goiás. O candidato, antes de apresentar propostas, criticou a atual gestão e listou, como compromissos na pasta, o planejamento e desenvolvimento econômico e social apoiado nas atividades e práticas culturais, sem detalhamentos.

No documento, entre outros pontos, é destacado como “uma estratégia crucial, ampliar a participação do setor cultural na sociedade e na economia de Goiás, por meio do reenquadramento da cultura na agenda pública, assumindo, de forma consequente e responsável, a conservação do patrimônio e da diversidade cultural, estruturado a partir de princípios e práticas sustentáveis. Nosso foco de atuação é fortalecer a cultura e promover uma rede sustentável de atividades, práticas e serviços culturais, dando visibilidade
ao setor na economia estadual.

Outros tópicos incluem elaborar o Plano Estadual de Cultura com ampla participação de todos os segmentos envolvidos, principalmente artistas, empreendedores, promotores culturais, dentre outros; criar uma Casa da Cultura Goiana. Esta deverá ser uma entidade voltada à preservação, divulgação e incentivo à cultura e os costumes do Goiás, com atuação em todo o Estado, liderando uma rede de atividades associativas e recreativas; e, também, promover parcerias com municipalidades, segmentos e demais atores sociais para realização de projetos e eventos. Outras propostas estão inclusas.

Os planos de cada candidato na íntegra podem ser conferidos nos links: Ronaldo CaiadoDaniel Vilela, José Eliton, Marcelo Lira e Kátia Maria. As propostas dos candidatos Alda Lúcia (PCO) e Weslei Garcia (PSOL) não estão anexadas às suas páginas do TSE.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.