Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia passa por vistoria

Na última segunda-feira (1º), detentos fizeram uma rebelião no local, que resultou em nove mortos e dezenas de foragidos

O secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Estado de Goiás, Ricardo Balestreri, colocou o Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia à disposição do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) para vistoria, que deve acontecer nesta quarta-feira (3/1).

Na última terça-feira (2), a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia, determinou que o TJ-GO envie ao conselho, em 48 horas, relatório sobre as condições do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

A determinação da ministra foi dada após uma rebelião na unidade na última segunda-feira (1°), que resultou em nove mortes e 99 fugas. De acordo com a Superintendência Executiva de Administração Penitenciária de Goiás, os presos da Colônia Agroindustrial, do regime semiaberto, que estavam na ala C do complexo prisional, invadiram as alas A, B e D, o que levou ao confronto entre grupos rivais.

A informação do órgão estadual é de que a situação no momento está controlada e os detentos feridos já receberam atendimento médico e retornaram para a unidade. De acordo com a secretaria, a unidade prisional passou por uma revista padrão no fim de outubro de 2017.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.