Comissão de ética conclui que Geddel usou cargo de ministro em interesse pessoal

Comissão da Presidência da República determinou sanção de censura ética contra o ex-ministro da Secretaria de Governo

Em reunião realizada nesta quinta-feira (15/12), a comissão de ética da Presidência da República concluiu que o ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (PMDB) utilizou do seu cargo para promover interesses pessoais, o que viola o código da administração pública. O relatório de Marcelo Figueiredo — que entendeu que houve conflito de interesse na postura do ex-ministro — foi aprovado por unanimidade.

O órgão federal decidiu pela sanção de censura ética contra Geddel. A pena é uma espécie de repreensão pública pela conduta de uma autoridade, mas que não impede o exercício de novos cargos públicos.

Geddel deixou o governo de Michel Temer (PMDB) no mês passado, após ser acusado de pressionar o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de pressioná-lo para aprovar a construção de um prédio na Bahia, construção proibida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

De acordo com o presidente da comissão de ética da Presidência, Mauro Menezes, o ex-ministro da Secretaria de Governo cometeu irregularidade ao não informar ao órgão que havia adquirido um apartamento no prédio em questão. Ele também informou que a decisão do colegiado foi remetida ao Ministério Público Federal (MPF), para que sejam investigados os indícios de que Geddel cometeu irregularidades que devem ser analisadas na esfera criminal.

Deixe um comentário