Comerciantes defendem que Restaurante Popular saia do Mercado Municipal

Semas promete reabertura até o fim do ano, mas donos de comércios no local esperam que ele funcione em outro local

Foto: Leicilane Tomazini/Jornal Opção

Permanece indefinida a situação do Restaurante Popular do Mercado Municipal, em Goiânia. Localizado no 3º piso de um dos pontos mais tradicionais da Capital, o local está fechado desde 2017. Partindo de uma parceria entre Ministério de Desenvolvimento e Combate à Fome e a Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas), o restaurante fornecia cerca de 1000 refeições por dia, ao preço único de R$ 1,00, para a população de baixa renda, estudantes, e pessoas em situação de vulnerabilidade social.

O restaurante popular fechou as portas no início da gestão do prefeito Iris Rezende (MDB). Agora, na reta final de seu mandato, o destino do lugar é incerto. Alguns comerciantes do Mercado Central até especulam a implantação de um “Atende Fácil” no ponto, outros acreditam que o restaurante não tem condições de reabrir, mas que o prédio continuará inoperante, abandonado.

De acordo com a relator da Comissão Especial de Inquérito (CEI), Anselmo Pereira (PSDB), o Restaurante Popular conta com estrutura e equipamentos, o que falta, segundo ele, é mão de obra: “Pretendemos resolver essa situação por meio da terceirização dos serviços, seja em parceria com a Organização das Voluntárias de Goiás (OVG), ou com com Sest/Senat”. Anselmo disse ao Jornal Opção que o relatório oficial da CEI será entregue à prefeitura após o recesso parlamentar, em agosto.  

Comerciantes são contra

Apesar de oferecer refeições com preço acessível, os comerciantes do Mercado não concordam com a reabertura do Restaurante Popular no 3º piso: “Nesse lugar não dá movimento para o pessoal daqui, porque quando estava funcionando, só vinham moradores de rua. Chagaram a fazer um abaixo-assinado para que usem o espaço para outros fins”, afirmou a comerciante Cristina Constantino.

Já Maria Alice, que é proprietária de um restaurante no piso 1 do Mercado, conta que, enquanto funcionava, o Restaurante Popular trazia muitos transtornos: “O esgoto não suporta, a gente tem que ficar rapando, é muita gordura, ou seja, não é viável para nós. E tem outra coisa, o restaurante de um real traz muitos andarilhos e moradores de rua para cá, e acabam afastando nossos clientes”.

Um outro comerciante, que preferiu não ser identificado, informou à nossa reportagem que ele vem acompanhando a movimentação no local,  e disse, também, que a prefeitura está fazendo pequenos reparos. De acordo com ele, a reabertura do estabelecimento deve ocorrer em breve.

Para Anselmo Pereira, o funcionamento do restaurante não interfere no movimento do mercado: “A única refeição servida lá é o almoço, portanto, é um momento específico do dia, além disso, não são só as pessoas de baixa renda que almoçam lá, muitos trabalhadores também utilizam o serviço”, pontuou. 

A Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) informou à nossa reportagem, por meio de nota, que a previsão é de que o local seja reaberto até o fim do ano, em parceria com a OVG. A respeito da manutenção do lugar, a Semas informou que a limpeza é feita regularmente.

 

 

 

Uma resposta para “Comerciantes defendem que Restaurante Popular saia do Mercado Municipal”

  1. Patricia Matsumoto disse:

    Qual a empresa q fornecerá a comida?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.