Com uso de braço robótico, Hospital Albert Einstein realiza procedimento inédito no hemisfério sul

Médicos fizeram uma angioplastia em paciente com Covid-19 que havia infartado

Foto: Reprodução

O Hospital Albert Einstein, de São Paulo, adotou um procedimento inédito para operação de um paciente portador da Covid-19 que havia infartado: a equipe médica utilizou um braço robótico que ainda se encontra em fase experimental.

O procedimento de angioplastia foi realizado em um paciente de 60 anos que recebeu dois stents e foi liberado poucos dias depois. Vale lembrar que o paciente também já encontra-se curado da Covid-19.

Conforme mostrado pelo jornal Folha de S. Paulo, o procedimento está em fase experimental no hospital e ainda depende de liberação da Anvisa para ser adotado. No entanto, com o feito, o hospital se tornou o primeiro no hemisfério sul a executá-lo.

Funcionamento

Os braços do robô funcionam ocmo uma extensão dos braços do profissional e são manejados pelo médico por meio de um console. A visualização do coração é transmitida por imagem e acompanhada em tempo real.

Enquanto um médico maneja o robô em uma sala específica, outros profissionais ficam posicionados próximos ao paciente, porém, respeitando uma distância segura da maca.

Isso, segundo os especialistas, reduzem o risco de contaminação e permite que a equipe trabalhe de maneira segura e efetiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.