Com salários reduzidos, colaboradores do Hugol cruzam os braços

Manifestante que filmou paralisação acusa retirada de plano de saúde, creche para mães e mais

Colaboradores do Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol) filmam paralisação e se dizem revoltados com situação da unidade de saúde. Segundo a trabalhadora, que filmou a manifestação, alguns profissionais estão de braços cruzados.

“A cozinha está parada, o processamento está parado, os maqueiros… Os pacientes vão ficar sem comer, porque reduziram os nossos salários”, narrou.

Segundo ela foram retirados da folha a assiduidade e o triênio, e diminuíram a insalubridade. “Estamos trabalhando dobrado, o plano de saúde foi retirado de nós, os equipamentos estão sucateados”, denunciou a cinegrafista, que também acusou a retirada da creche das mães. “A maioria, aqui, são mães solteiras que sustentam a casa”, disse.

Também durante o vídeo, é apontado que os uniformes estão rasgados e que eram da higienização, antes de serem passados para a cozinha.  

Posicionamento

O hospital informou que a comunicação só funciona até às 18h. Também foi tentado contato com a Organização Social que administra o Hugol, a Associação Goiana de Integralização e Reabilitação (Agir), e com a Secretaria Estadual de Saúde (SES). A reportagem aguarda retorno.

Na manhã desta segunda, 1º, foi a vez de servidores do Crer realizarem uma manifestação com as mesmas reivindicações. A unidade também é administrada pela Agir. Em nota ao Jornal Opção, a OS disse que se trata de reorganização da estrutura orçamentária. Leia nota:


A AGIR, Associação Goiana de Integralização e Reabilitação, na gestão do CRER desde 2002 sempre se empenhou em proporcionar aos seus colaboradores condições diferenciadas de trabalho. Contudo, as sucessivas crises financeiras pelas quais o  país tem passado  impactou sobremaneira os governos estaduais, inclusive Goiás.

Essa situação, de conhecimento geral, levou os governos a ajustar seus orçamentos.

As OSS, na condição de gestoras de serviços públicos têm seus recursos financeiros definidos nos contratos de gestão, que estabelecem os valores a serem aplicados nas unidades de saúde, determinando os percentuais de desembolso com pessoal, atendimentos de saúde e custeio geral da unidade.

Com relação a alimentação, a AGIR adotava como prática o fornecimento de refeição aos seus colaboradores com parte do valor subsidiado. Essa medida, além de consumir parte dos recursos  do contrato de gestão com insumos, exigia a manutenção de uma estrutura operacional muito maior para atender o volume de produção. A medida reverteu recursos para a assistência ao paciente.

A entrada de alimentos na unidade, trazidos pelos colaboradores obedece às normas estabelecidas na NR-32 e regulamentados pela Comissão Interna de Infecção Hospitalar.

As medidas forma implementadas após ampla discussão e conscientização dos colaboradores.

Com relação ao plano de saúde, que também era subsidiado para o colaborador, pelos mesmas razões teve que ser suprimido. Contudo, a AGIR tabulou forte negociação com a UNIMED para manutenção dos melhores valores de mercado. Doravante a gestão do plano ficará ao encargo de uma comissão dos empregados (que será formada), haja vista que a AGIR não mais poderá se manter a frente da gestão do plano de saúde, ante a todos os fatores financeiros que podem comprometer os repasses do contrato de gestão, destinados a assistência.

Sem expectativas de melhoria no cenário econômico, a AGIR na condição de destinatária de recursos públicos tem o dever legal de garantir a sua aplicação prioritária no objeto do contrato de gestão, isto é, a assistência de qualidade ao usuários do SUS que buscam nas unidades por ela administradas o socorro à saúde.

A Convenção Coletiva de Trabalho firmada entre Sindicato dos Trabalhadores na Saúde e o Sindicato patronal condicionou o beneficio da CCT aos empregados e a obrigação de seu cumprimento aos empregadores, exclusivamente àqueles que forem filiados ou que paguem a taxa negocial.

A insalubridade será paga segundo em conformidade com o estabelecido na lei, nos índices de 10%, 20% ou 40%.

Assim, considerando todas essas variáveis e as contingências legais que envolvem a questão, por se tratar a manutenção das unidades de saúde com uso de dinheiro público, sua aplicação deverá considerar sempre o interesse público, segundo os princípios constitucionais.

Não se tratam, pois, as medidas apontadas, de destituição de benefícios, nem de medida desarrazoada ou ilegal, mas de reorganização da estrutura orçamentária.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Arconte

UMA INSTITUIÇÃO QUE COMETE SEUS ATOS NA CALADA DA NOITE, RETIRANDO DINHEIRO DE SEUS FUNCIONÁRIOS SEM NENHUM AVISO, SÚBITO, DESPROVENDO FAMÍLIAS QUE ELES DIZEM QUERER TRATAR. HIPÓCRITAS.