Com quase 80% dos leitos de UTI ocupados, Goiás registra 3.397 novos casos em 24 horas

Até o momento, 16.246 goianos já perderam a vida em decorrência da doença,  o que significa uma taxa de letalidade de 2,78%

Segundo o painel da Covid-19, foram registrados 3.397 novos casos e 56 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas. A última vez que os dados se aproximaram desse número foi há duas semanas. No 04 de maio, 3.122 casos foram protocolados.

Até o momento, 16.246 goianos já perderam a vida em decorrência da doença,  o que significa uma taxa de letalidade de 2,78%. Há 294 óbitos suspeitos que estão em investigação. Em todo o território goiano, já há mais de 584 mil casos registrados de contaminação. Deste total, 557.539 estão recuperados. Outros 443.131  mil casos estão sob investigação.

Nos hospitais públicos e privados, a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), nesta terça-feira, 18, é de 73,04% e 42,35% das enfermarias. Apenas nos hospitais sob gestão do estado de Goiás a situação é a ainda mais crítica, 78,89% das UTIs estão ocupadas. Das 578 unidades existentes atualmente no estado, apenas 122 estão disponíveis. Já na rede pública municipal a ocupação dos leitos está em 77,34%. De acordo com a pasta, dos 295 leitos implantados, 58 disponíveis.

O mapa de calor da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), aponta que apenas a região Serra da Mesa – Alto Horizonte, Amaralina, Campinorte, Colinas do Sul, Hidrolina, Mara Rosa, Niquelândia, Nova Iguaçu de Goiás e Uruaçu – está classificada como alerta (amarelo). Todas as demais estão atualmente em situação crítica (laranja) ou de calamidade (vermelho).

Após flexibilização das atividades consideradas não essenciais e reabertura do comércio, além de denúncias de festas clandestinas e aglomerações, Goiás registrou aumento de 16% do número de óbitos por Covid-19 no Brasil. De acordo com o boletim divulgado pelo Consórcio de Veículos de Imprensa, na noite desta segunda-feira, 17, o estado é o único “em alta”. O restante do país apresenta cenário de estabilidade e queda na média móvel de mortes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.