Com mais de 50 votos favoráveis, Senado aprova recondução de Janot à PGR

Após mais de dez horas de sabatina, senadores aprovaram indicação da presidente Dilma. Essa foi a segunda maior sabatina da história do Senado

Rodrigo Janot durante sabatina na CCJ | Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Rodrigo Janot durante sabatina na CCJ | Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

O Senado aprovou na última quarta-feira (26/8) a recondução de Rodrigo Janot ao cargo de procurador-geral da República. Com 59 votos favoráveis, 12 contrários e uma abstenção, os senadores aprovaram a indicação da presidente Dilma Rousseff (PT) após mais de dez horas de sabatina na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Essa foi a segunda maior sabatina da história do Senado.

Janot respondeu principalmente questionamentos sobre a Operação Lava-Jato, mas houveram também perguntas sobre a parceria do Ministério Público com os três Poderes, a atuação do Ministério Público Federal na investigação das “pedaladas fiscais”, o Swissleaks e outros assuntos.

Ainda durante a sabatina, o senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), que já havia atacado Janot em discurso na tribuna do Plenário do Senado, fez acusações e debochou do procurador, afirmando que ele vaza informações sigilosas das investigações à imprensa e perguntando sobre o irmão do sabatinado, que, segundo Collor, era um “criminoso procurado pela Interpol”.

O procurador-geral da República chefia os Ministérios Públicos Federal, do Trabalho, Militar e do Distrito Federal e Territórios; preside o Conselho Nacional do Ministério Público e é ouvido em todos os processos do Supremo Tribunal Federal. O mandato para o cargo é de dois anos, mas a Constituição permite reconduções ilimitadas do titular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.