Com custo de R$ 4,9 milhões, moradores questionam reforma da Câmara de Rio Verde

Outro ponto debatido na cidade consiste na disponibilização de carros aos parlamentares, uma vez que a frota foi recentemente renovada

Com custo de R$ 4,9 milhões, moradores questionam reforma da Câmara de Rio Verde | Foto: Reprodução

A Câmara Municipal de Rio Verde irá realizar, nos próximos meses, uma nova reforma do prédio do Poder Legislativo da cidade. O processo licitatório já foi iniciado e as obras devem custar aos cofres públicos o equivalente a R$ 4.911.849,26. No entanto, moradores, empresários locais questionam a necessidade da nova empreitada, já que no ano passado a Casa já teria passado por melhorias.

Isso, porque em outubro do ano passado, a empresa ACM Engenharia, ganhadora do processo licitatório, teria restaurado a praça que compõe o Complexo da Câmara Municipal. Na época, o projeto foi orçado em aproximadamente R$ 191 mil. Além dessa, outra empresa foi contratada para realizar reparos na estrutura do telhado, haja vista que no período chuvoso aparecem goteiras e infiltrações, impedindo assim a utilização de vários espaços do prédio.

O coordenador Operacional do Observatório Rio Verde (ORV), inspetor Frank, explicou que a entidade não constatou nenhuma irregularidade no processo dessa reforma. “Com os dados que nós temos, posso afirmar que, até então, não há nenhum tipo de irregularidade administrativa e jurídica”, pontuou Frank. Ele ainda considera os questionamentos em questão como políticos, “já que o atual presidente da Câmara deve ser candidato ao cargo de deputado nas eleições deste ano”.

O coordenador também comentou sobre a necessidade de reforma do prédio, ao afirmar que a construção não se encontra em boas condições. “O presidente deve ter tomado a decisão de não só fazer o reparo dos telhados, mas diante do valor realizar uma reforma geral”, frisou. O ORV foi criado com finalidade de dar publicidade aos recursos públicos, bem como apoiar à comunidade em pesquisa, análise e divulgação de informações sobre o comportamento de entidades e órgãos públicos com relação à aplicação dos recursos, ao comportamento ético de funcionários e dirigentes.

Na cidade, outro ponto questionado é a disponibilização de carros aos parlamentares, uma vez que a frota foi renovada. Após repercussão negativa, o vereador Eder Magrão (PP) chegou a abrir mão do carro e do combustível. Em um vídeo publicado nas redes sociais, ele informa sobre a devolução dos bens, os quais os parlamentares têm direito. Desde 2015, a Câmara arcava com o valor de RS 2,3 mil por mês pelos veículos hatch e R$ 2,6 pelos veículos sedan. Em 2022, serão desembolsados o equivalente a RS 1,9 mil por mês pelos veículos hatch e R$ 2,1 mil pelos carros sedan. Embora tenha ocorrido uma redução, essa nova frota conta com sete carros a mais.

O Observatório vem questionando estes pagamentos de locação desde 2018. Os documentos foram enviados para o Ministério Público Eleitoral (MPE). A empresa que locava os veículos pertence ao mesmo grupo que abastece os veículos, de modo que também efetuava revisões e reparos. Atualmente, a Câmara Municipal de Rio Verde conta com 21 vereadores, que são responsáveis por fiscalizar os atos do executivo, bem como votar projetos, sugerir matérias de interesse público. Segundo informações repassadas ao Jornal Opção, a Casa possui, ao todo, cerca de 300 funcionários, sendo que 288 são comissionados.

O Jornal Opção entrou em contato com o presidente da Câmara, mas até o fechamento desta matéria, o parlamentar não se manifestou. O espaço permanece aberto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.