Com Brasília ao lado, deputados de Goiás gastam R$ 380 mil com viagens de avião

Os campeões são Daniel Vilela, Jovair Arantes e Roberto Balestra que, juntos, utilizaram R$ 189 mil em um ano. Apenas três parlamentares não tiveram gastos com passagens

Fotos: Fernando Leite

Daniel Vilela aparece na primeira posição, com gastos de R$ 80 mil. Jovair Arantes e Roberto Balestra se mantém entre os três primeiros desde a última consulta | Fotos: Fernando Leite/ Jornal Opção

Por Marcelo Gouveia e Bruna Aidar

Um ano depois de constatar que, em seis meses, deputados federais por Goiás gastaram R$ 185 mil em passagens aéreas, o Jornal Opção voltou a fazer o levantamento, baseado em dados do Portal da Transparência da Câmara dos Deputados. Desde junho de 2015, quando a primeira matéria foi publicada, até junho de 2016, os gastos dos parlamentares somaram quase R$ 380 mil – só em transporte aeroviário.

Quem encabeça a lista é Daniel Vilela (PMDB), cujos gastos saltaram de R$ 2.426,60 no primeiro semestre de 2015 para R$ 80.094 nos últimos doze meses. Foram R$ 22.517 de passagens aéreas e R$ 57.577 de fretamento de aeronaves. Além dos gastos com passagens aéreas, o presidente do PMDB de Goiás também mantém um contrato com uma locadora de carros, com o custo de R$ 8 mil mensais, totalizando R$ 96 mil no prazo de um ano.

Se o nome de Daniel Vilela é novidade entre os três primeiros, o dos dois que o seguem na lista não são. Roberto Balestra (PP) e Jovair Arantes (PTB) permanecem gastando muito em transporte aéreo. Jovair Arantes manteve a segunda colocação com gastos que somaram R$ 63.614, enquanto Balestra caiu duas posições, com R$ 45.222 consumidos.

Como a capital goiana está a menos de 200 km de Brasília, os goianos têm à disposição a segunda menor cota parlamentar do País, atrás apenas dos deputados do Distrito Federal. No total, são disponibilizados R$ 35.135,20 a cada parlamentar eleito por Goiás.

Apesar de o trajeto Goiânia – Brasília ser utilizado como base para o cálculo da cota parlamentar, as passagens aéreas adquiridas pelos deputados não se restringem a esta rota. É comum encontrar viagens tanto para outras cidades goianas quando para municípios fora do Estado. Jovair Arantes, por exemplo, foi para Formosa e Niquelândia, enquanto na lista de de Roberto Balestra constam várias passagens entre São Paulo e Ribeirão Preto.

Últimos da lista

Com valores bem abaixo dos registrados pelos primeiros da lista, os deputados federais que menos gastaram no último ano foram Fábio de Sousa (PSDB), com gastos de R$ 1.388; Rubens Otoni (PT), que utilizou R$ 2.282; e Célio Silveira (PSDB), que consumiu R$ 3.462.

Em entrevista ao Jornal Opção, Fábio de Sousa explicou que não vê necessidade em gastar muito com passagens aéreas: “O trajeto que faço é de Brasília a Goiânia ou alguma cidade do interior de Goiás. São viagens curtas, de 2h30, 3 horas de duração, por isso acho mais fácil e prático ir de carro”.

Sobre os deputados que ficaram no topo da lista de gastos, Fábio de Sousa destacou que é preciso que se observe a finalidade da disponibilização do dinheiro. “Até onde eu sei, a verba é disponibilizada para que o parlamentar cumpra compromissos de trabalho, ou seja, vai da sua cidade de origem à Brasília ou para o caso de cumprir agenda em outro local”. “Qualquer coisa fora disso deve ser questionada e investigada”, defendeu.

Já Célio Silveira disse que costuma pagar suas próprias viagens e também tem como hábito o uso de seu carro particular para fazer o trajeto entre Goiânia e Brasília: “Normalmente pago por conta própria, não fico envolvendo a Câmara nisso”. Embora não utilize muito da verba parlamentar para realizar suas viagens, Célio afirmou ver com naturalidade o fato de seus colegas o fazerem.

“Cada parlamentar tem uma peculiaridade. Não é da minha característica, mas pode ser de outro”, argumentou. Para ele, o fato de terem sido registradas muitas viagens para fora do Estado não quer dizer que tenha havido desvio de função: “Às vezes o parlamentar tem compromissos fora da cidade, tem muitos que realmente viajam a trabalho, que fazem visitas em lugares importantes como São Paulo e Rio de Janeiro, então vejo com naturalidade essa situação”.

Econômicos

Três dos deputados federais eleitos por Goiás não gastaram com transporte aéreo, Heuler Cruvinel (PSD), Flávia Morais (PDT) e Delegado Waldir Soares (PR). Apesar de não terem comprado passagens aéreas, Heuler Cruvinel e Flávia Morais compensam nos gastos com translado rodoviário. Heuler usou R$ 48 mil para fretar carros, enquanto Flávia consumiu quase R$ 90 mil em fretamento. Cabe ressaltar que a reportagem não considerou gastos com combustível.

De todos os goianos, o único que não gastou nada foi Waldir Soares, que tampouco utilizou sua verba para transporte rodoviário.

O Jornal Opção tentou falar com Daniel Vilela, mas, depois de informar o motivo da ligação, não conseguiu mais contato. Também foram procurados Jovair Arantes (PTB), Roberto Balestra (PP), Rubens Otoni (PT) e Waldir Soares (PR) mas, até o fechamento da matéria, ainda não havia conseguido retorno.

Confira a tabela de gastos com passagens dos deputados:

Deputado federal
Passagens aéreas
Fretamento de aeronave
Total
Daniel Vilela (PMDB) R$ 22.517 R$ 57.577 R$ 80.094
Jovair Arantes (PTB) R$ 27.254 R$ 36.360 R$ 63.614
Roberto Balestra (PP) R$ 11.894 R$ 33.328 R$ 45.222
Pedro Chaves (PMDB) R$ 25.069 R$ 17.874 R$ 42.943
Alexandre Baldy (PSDB) R$ 41.147 R$ 41.147
Marcos Abrão (PPS) R$ 31.335 R$ 31.335
João Campos (PSDB) R$ 15.703 R$ 7.900 R$ 23.603
Sandes Jr. (PP) R$ 20 mil R$ 20 mil
Giuseppe Vecci (PSDB) R$ 5.960 R$ 5.500 R$ 11.460
Magda Moffato (PR) R$ 950 R$ 6.900 R$ 7.850
Lucas Vergílio (SD) R$ 4.188 R$  4.188
Célio Silveira (PSDB) R$ 3.462 R$ 3.462
Rubens Otoni (PT) R$ 2.282  R$ 2.282
Fábio Sousa (PSDB) R$ 1.388 R$ 1.388
Flávia Morais (PDT)
Heuler Cruvinel (PSD)
Delegado Waldir (PSDB)

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.