Com ajuda da chuva, incêndio na Chapada dos Veadeiros é controlado

Equipes começam a desmobilização no local. Ainda não foi possível avaliar tamanho da área atingida pelo fogo

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais diz que há 57 focos de risco de fogo no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros| Foto:  Valter Campanato/Agência Brasil

O incêndio que tomou conta do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros está controlado, segundo informação do chefe do parque, Fernando Tatagiba.

À Agência Brasil, ele informou neste domingo (29) que a forte chuva no local no fim da tarde de sábado (28/10) contribuiu para o combate às chamas, que consomem a vegetação desde o último dia 17 de outubro.

“Choveu praticamente na área toda do parque. Na área que estava queimando, todo o incêndio está controlado. A perspectiva é de caminhar para a extinção [do fogo], mas vamos manter o estado de prontidão”, disse.

O aguaceiro, embora atrasado em um dia na previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) foi suficiente para o início da desmontagem do esquema de combate da equipe, composta por brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), bombeiros do Distrito Federal e de Goiás e voluntários de estados como Tocantins e Minas Gerais.

Ao longo de dez dias, o grupo conseguiu controlar o incêndio na parte sul do parque e passou a aglutinar esforços no norte, na região dos Saltos até o Catingueiro, próximo ao município de Cavalcante. Ao sul, estão localizados o Rio das Cobras, o Vale do Rio São Miguel, Pouso Alto e Cara Preta.

“A gente começa a planejar a desmobilização, que é gradual e lenta. A gente não desmobiliza tudo de uma vez só. Dos cinco aviões-tanques, devemos inicialmente tirar três”, disse Tatagiba.

Ele informou que a equipe sobrevoou o parque na manhã deste domingo (29), mas não pôde avaliar com precisão a proporção da área atingida, devido às nuvens que se formaram.

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que monitora as queimadas por satélite, há, atualmente, 57 focos de risco de fogo, dos quais 43 são considerados de grau médio.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.