Coligação de Vanderlan consegue na Justiça impedir divulgação completa de pesquisa do IBOPE

A pesquisa é encomendada pela TV Anhanguera, filiada da Rede Globo em Goiás. Resultados parciais serão divulgados pela emissora nesta quinta-feira (14)

O juiz Fernando de Castro Mesquita, do Tribunal Regional Eleitoral em Goiás (TRE-GO), proibiu a veiculação de parte de pesquisa eleitoral realizada pelo instituto IBOPE Inteligência Pesquisa e Consultoria LTDA. A decisão judicial é uma resposta à representação da Coligação Majoritária Participação Popular do candidato ao governo de Goiás pelo PSB, Vanderlan Cardoso.

Clique na imagem para ampliá-la

Clique na imagem para ampliá-la

Conforme entendimento judicial, a proibição ocorreu pelo fato de ter sido apresentado aos entrevistados uma questão em que as únicas opções, em caso de segundo turno, são os nomes dos governadoriáveis Marconi Perillo (PSDB) e Iris Rezende (PMDB).  Tucano e peemedebista figuram polarizados, com certa vantagem para o governador, sendo que Vanderlan Cardoso aparece em terceiro nos levantamentos encomendados pela imprensa local a institutos como Fortiori, Veritá, Serpes, e Groupon, por exemplo.

A decisão de Fernando Castro Mesquita teve por base o artigo terceiro da Resolução 23.400/2013, segundo a qual, a partir de 10 de julho de 2014, pesquisas eleitorais têm de apresentar o nome de todos os candidatos, sem qualquer distinção no que se refere a primeiro e segundo turno.

A decisão judicial é datada da última quarta-feira (13/8). De acordo com assessoria do magistrado, o instituto já apresentou defesa, solicitando a liberação integral dos dados obtidos.

A pesquisa do IBOPE é encomendada pela TV Anhanguera, filiada da Rede Globo em Goiás. Os resultados serão divulgados pela emissora no Jornal Anhanguera 2ª Edição, às 19h15 desta quinta-feira (14). Procurada pelo Jornal Opção Online, a equipe de produção do telejornal garantiu o cumprimento da determinação judicial e não irá divulgar os dados relacionados ao segundo turno.

Segunda vitória

No início desta semana, o juiz Fernando Castro Mesquita, também a pedido da coligação de Vanderlan, barrou a divulgação completa de pesquisa eleitoral realizada pelo Instituto Arthur Oliveira. Dentre os pontos questionados pela chapa e acatados liminarmente pelo magistrado está o nome do pessebista, redigido errado no questionário ao eleitor –– Vanderlei, no lugar de Vanderlan.

Além disso, a coligação também questionou a formulação de uma das questões da pesquisa eleitoral, onde eram mencionados apenas nomes de dois candidatos ao governo como opções para segundo turno, excluindo os nomes dos demais governadoriáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.