Cliente agredido por segurança irá processar hipermercado de Goiânia: “Foi humilhante”

Segundo ele, suposta dívida de R$ 10 motivou violência de funcionário do Pão de Açúcar na capital

O publicitário Gustavo Mendes tentou fazer uma compra de dois pães e um bolo no valor de R$ 10,14 no hipermercado da rede Pão de Açúcar na última semana, mas um erro no sistema o fez terminar a noite na delegacia . Em entrevista ao Jornal Opção, o jovem afirma que foi brutalmente espancado pelo segurança da unidade localizada na Avenida T-63, na capital.

De acordo com Gustavo, após selecionar os itens, ele foi ao caixa efetuar o pagamento, digitou a senha do cartão de débito, sendo confirmada a transação. “A impressora fiscal chegou inclusive a imprimir um papel que não me foi entregue”, relatou. Mesmo assim, segundo ele, o caixa informou que o sistema interno teria tido um problema e ele deveria fazer novamente o pagamento.

Ele, então, chamou a gerente e mostrou, em seu celular, o extrato do banco que confirmava a transação. A responsável, no entanto, disse que o valor seria estornado e reforçou o pedido para o segundo pagamento. Depois disso, o cliente resolveu deixar o local, mas acabou sendo seguido pelo segurança.

Comprovante de pagamento confirma transação

“O segurança chegou peitando, esbarrando, gritando e tentando impedir minha passagem. Quando menos espero, ele dá uma porrada nas minhas compras e jogou tudo no chão. O sangue subiu a minha cabeça e, quando me virei, já fui recebido com socos. Comecei a apanhar, recebendo porradas na cabeça e nas costas enquanto ele gritava ladrão e me chamava de bandido”, contou.

“Meio atordoado pelas pancadas, ouvi o segurança gritar pro PM que eu era bandido, e ele com toda o carinho do mundo exigiu que eu colocasse as mãos pra trás. Enquanto fui tentar calçar a sandália que havia sido arrancada enquanto eu apanhava, o PM achou que eu estava resistindo e me deu um rasteira. Caí com a cara no chão”, continuou.

Por fim, ele acabou sendo levado pela Polícia Militar para a 4a DP, onde foi autuado por desacato, sendo liberado somente após pagamento de fiança no valor de um salário mínimo. De acordo com Gustavo, o comprovante o liberou de ser fichado por roubo.

O publicitário pretende processar a rede de supermercados por danos morais. “Foi a situação mais humilhante e vexatória da minha vida. Fui linchado em praça pública por toda a vizinhança. Machucados físicos já estão sarando, mas a cabeça acho que vai ficar marcada para sempre”, desabafou.

Resposta

Em nota, o Pão de Açúcar informou que “tentou explicar ao cliente que sua primeira compra seria estornada em 72 horas e que, por essa razão, se fazia necessário passar o cartão uma segunda vez”, mas que o “consumidor se exaltou com o segurança local e as autoridades competentes o encaminharam à delegacia”.

“A rede continua à disposição do cliente para prestar novamente qualquer esclarecimento sobre o ocorrido”, finaliza o comunicado da empresa responsável pela assessoria do hipermercado.

11 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

NILSON JAIME

Esse gerente tem a diplomacia de um elefante em loja de louças. Imagine, fazer todo esse estardalhaço por R$ 10,14? Truculência e incompetência.

Jô Alenkar

Fala sério!! E se fosse ao contrário!!? Se supermercado tivesse passado a mais????

Thiago sakaguchi

Esse cliente também foi muito idiota, é normal o estorno quando acontece algum erro, mais demora um pouco, ele foi muito ignorante a ponto de pegar as compras e ir embora. Um cara desses não deveria ter cartão de crédito.

Latino

Caipira metido a juiz!!

Daian Tai

Mais uma atração diária do circo de horrores Brasil onde, se duvidar, já são maioria os que não só não se envergonham como até se envaidecem de serem uma das sociedades mais violentas do mundo!

Jean​ Carlos

Processa o segurança tbm pra largar de ser otário esse borra bosta

Rodrjgo

tem que prossesa msm esses segurancas sao folgados acham que tem direito de bater em todo mundo agredir so poq usam uma farda fico aqui pensando poq eles nao nao batem em bandidos de verdade nao batem poq sao bundoes sabem que si bater o buraco e mais enbaixo agora quando ve uma pessoa que nao mostra perigo eles dao um de machao segurança e policia so tortura pessoas que trabalha e paga os seus impostos agora bandido eles tratam com a maior delicadesa vergonha total

Mauro de Oliveira

Estranho, pois uma das dicas para quem vende é que o cliente sempre tem razão.
No entanto o que ando assistindo é que a clientela goiana, em muitos casos, está sendo mal tratada, ou psicológica ou até fisicamente.
O gerente agiu precipitadamente ou é um ser tosco.
Os seguranças particulares da capital goiana são completamente despreparados.
O que fazer? Evitar comprar nesse estabelecimento, simples assim …

ANA GABRIELA

Eu vi o acontecido….quando cheguei no mercado vi o guarda segurando ele…eu ia na lotérica de lá mas como estava cheia fomos saindo e aí tinha uma polícia no posto e já veio…o rapaz nem reagiu e já chutaram as canelas dele e ele caiu no chão…aí meu filho de três anos até começou a chorar…. Eu imaginei algo simples pq o rapaz nem reagiu e qd caiu no chão a polícia deu tanto murro q duas senhoras vieram questionar tal ato tão brutal…. Fiquei indignada pelo fato do rapaz não reagir em nada e eles …os policiais o tratarem… Leia mais

cleuza baptista

Conversa pra boi dormir da direção do supermercado. Se o erro foi de vocês, porque não deram uma garantia por escrito de que o valor seria estornado?
Tem mais é que exigir uma gorda indenização. Afinal toda adversidade deve ser seguida de um benefício equivalente!

Gleyson

Trabalho com agência de viagens e por várias vezes já mim aconteceu esse tipo de problema, mais nada que um diálogo pra resolver um problema.

Carlos

Meu amigo entra com um processo contra o pão de açúcar contra o segurança incompetente e tbem contra esse Pm um abraço