Ciclistas deixam de ser invisíveis com nova ciclofaixa?

Será inaugurada amanhã sinalização entre os parques Vaca Brava e Areião. Grupo Rotas Cicláveis irá entregar documento a Paulo Garcia solicitando de mais 72 km de rotas

Nova sinalização dede ciclorota será inaugurado no domingo | Foto: Divulgação/Prefeitura de Goiânia

Nova sinalização será inaugurado no domingo | Foto: Divulgação/Prefeitura de Goiânia

A sinalização da nova ciclofaixa entre os parques Vaca Brava e Areião, nos setores Bueno e Bela Vista, respectivamente, tem 6,6 quilômetros de extensão entre seu início e fim. Apesar de ser permanente, a nova alternativa para circular de bicicleta por Goiânia é para lazer — vai funcionar entre 7 e 16 horas aos domingos.

A rota abrange os setores Marista e Bueno, de classe alta, e surge efetivamente após debates entre adeptos da pedalada, como o grupo Rotas Cicláveis de Goiânia, técnicos e engenheiros de trânsito, e o poder público municipal, por meio da Secretaria de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT). Mas será que a nova demarcação e a execução de políticas de mobilidade urbana geram mais segurança a quem pedala?

Como autoridade pública e ciclista, o presidente da Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma) e coordenador geral da Unidade Executora de Projetos (UEP) do Paço Municipal, o petista Nelcivone Melo sempre esteve à frente das discussões. “Essa demarcação é importante porque muitas pessoas usam esse meio de transporte para deslocamento diário entre casa e trabalho, e também para o lazer e esporte”, ressalta.

Na avaliação o auxilar da prefeitura, a existência de espaços como a que será inaugurado no domingo (30) cria a cultura da bicicleta no município. “Aqueles que usam [a bicicleta] são invisíveis para motoristas que, de modo em geral, os consideram como um estorvo”, pontua. Nelcivone defende que a medida resulta em mudança na cabeça do motorista goianiense sobre o que é o conceito da bicicleta para mobilidade urbana.

Matheus Monteiro usa a bike para se deslocar de casa até o trabalho. "De dez motoristas, sete não respeitam", conta | Foto: Álbum pessoal

“De dez motoristas, sete não respeitam”, conta Matheus Monteiro | Foto: Álbum pessoal

Quem concorda com Nelcivone é Matheus Monteiro Alves, 22, graduado em Relações Internacionais. “A principal vantagem é que ajuda na conscientização. Pedalo todo dia pelo trânsito da Avenida 85 e T-9. De dez motoristas, sete não respeitam, especialmente os taxistas. Passam muito perto”, relata.

O jovem usa a bicicleta desde o ensino médio para ir à escola. Hoje, sai de sua residência, no Setor Sudoeste, e vai até o local de trabalho, no Setor Marista. Aos finais de semana, frequenta o Parque Flamboyant e o Centro Cultural Oscar Niemeyer (CCON). “Passo também pelas avenidas T-63, Jamel Cecílio e pelo Areião. Com o novo espaço, não divido a calçada com quem caminha ou anda com cachorro”, argumenta.

Novas ciclorotas

No evento de amanhã o Rotas Clicáveis de Goiânia irá entregar ao prefeito Paulo Garcia (PT) documento com novos caminhos já mapeadas na cidade. Os trechos estão demarcados no Google Maps — aplicativo de mapas para celular — e será solicitado à prefeitura a demarcação dos novos caminhos. “São ciclofaixas e ciclorrotas a serem regulamentadas. Mas não de lazer, como esta que liga os parques, que só funcionam domingo”, explica Gabriella Siveira, integrante do grupo.

No total, são 23 trechos, que resultam em 74 quilômetros (o levantamento está disponível na internet). Já a prefeitura quer demarcar 140 quilômetros de rotas cicláveis integradas até o fim do mandato petista.

A esperança de Nelcivone é a de que, a partir de agora, Goiânia ganhe novas
alternativas para se pedalar com segurança. “E que cresçam em futuras gestões, com infraestrutura de apoio, como os bicicletários que existem nos parques Flamboaynt, Bernardo Élis e na Praça da Nova Suíça.”

A promessa é que novos pontos sejam instalados para incentivar o uso da bicicleta, a começar pelo prédio do Paço Municipal, no Setor Park Lozandes.

Trajetos

Segundo a prefeitura, a nova sinalização passa pela Alameda Eugênio Jardim, seguindo sentido Vaca Brava pela Rua 1.122, Avenida T-11, Rua T-37, descendo pela T-58 e T-5, encontrando a ciclofaixa de lazer já existente.

O ciclista que desejar retornar ao Areião poderá seguir pela T-12, subindo pela T-37, em direção a T-60 sentido Avenida 85 até a Alameda Edmundo Pinheiro de Abreu.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.