Cerfis permanece aberto durante pandemia de coronavírus

Referência em assistência de Fissuras Labiopalatinas permanece atendendo casos de urgência e emergência na unidade do Hospital Materno Infantil (HMI)

Foto: Divulgação

Atendimentos de urgência e emergência continuam funcionando normalmente no Centro de Reabilitação de Fissuras Labiopalatinas (Cerfis), que funciona no Hospital Materno Infantil (HMI), em Goiânia. Porém, de acordo com o secretário de Estado de Saúde, Ismael Alexandrino, os atendimentos eletivos – que podem ser programados – estão suspensos durante o período da pandemia do coronavírus.em razão da Covid-19, para evitar a contaminação cruzada.

A medida é necessária para evitar que quem precisa de assistência ambulatorial tenha contato com quem está no pronto-socorro. É uma suspensão temporária determinada pela portaria 511, da SES, que prevê a interrupção de procedimentos eletivos durante a pandemia de Covid-19.

Alexandrino reforça que, assim que possível, unidade voltará a funcionar normalmente. “É uma suspensão temporária. O Cerfis continua como parte estratégica da atenção ao paciente com lábio leporino e fenda palatina da SES. Assim que tivermos condições em relação à pandemia, voltará ao seu pleno atendimento, mantendo sua característica multidisciplinar e multiprofissional”, declarou.

Os pacientes já assistidos pelo Cerfis, que necessitam de retornos pós-operatórios, assim como as situações de urgência ou emergência, estão sendo atendidos no consultório odontológico do Centro. Lá também é oferecida assistência a gestantes com pré-natal de alto risco e a assistência ambulatorial nas especialidades pediátricas de neurologia e cardiologia. Além disso, o banco de leite, que faz o atendimento apenas para pacientes internadas, foi transferido para o local.

“O Cerfis não foi desativado, continua em funcionamento. Mas para atender o plano de contingência elaborado pela equipe técnica para o enfrentamento da coronavírus, algumas áreas assistenciais precisaram ser realocadas”, complementa Rita Leal, diretora regional do Instituto de Gestão e Humanização (IGH), Organização Social que administra o HMI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.