Atual secretária municipal de Saúde e os ex-secretários Elias Rassi Neto, Fernando Machado e Paulo Rassi devem prestar depoimento

CEI da Saúde da Câmar Municipal de Goiânia | Foto: Matheus Monteiro / Jornal Opção

A Comissão Especial de Inquérito (CEI) que vai investigar a saúde pública em Goiânia fez sua segunda reunião em que foram aprovados requerimentos para o início efetivo dos trabalhos. A Comissão é formada por Clécio Alves (PMDB), ocupando a presidência, Paulo Daher (DEM), a vice-presidência, Elias Vaz (PSB), a relatoria, e mais quatro vereadores membros: Anderson Sales – Bokão (PSDC) – que substitui Kleibe Morais (PSDC) – Carlin Café (PPS), Cristina Lopes (PSDB) e Jorge Kajuru (PRP).

Foi aprovado um requerimento conjunto de todos os membros convocando a atual secretária municipal de saúde, Fátima Mrue, e os ex-secretários Elias Rassi Neto, Fernando Machado e Paulo Rassi. Durante a CEI, Clécio Alves disse que pode chamar coercitivamente quem faltar às convocações. “Se não vier, mando buscar”, afirmou.

Os membros da comissão aprovaram o método de trabalho proposto pelo relator, que divide as investigações em duas áreas: atendimento e contratos. Entre o que será verificado sobre o atendimento, estão os problemas de falta de materiais e de profissionais nas unidades de saúde. O presidente anunciou que serão feitas visitas durante a madrugada para verificar se médicos estão faltando os plantões.

[relacionadas artigos=”107555″]

Requerimentos

Jorge Kajuru solicitou a relação de todo os contratos pagos pela secretaria entre os anos de 2011 e 2013, além da evolução detalhando os gastos com a folha de pagamento 2010 e 2017 na pasta. Segundo ele, no período houve um aumento R$ 400 milhões.

Os contratos firmados com a Prefeitura serão divididos em três categorias durante a investigação: laboratórios, hospitais e fornecedores de insumos. Um dos requerimentos aprovados de Elias Vaz pede à Secretaria Municipal de Saúde a relação detalhada de todos os insumos fornecidos pelas empresas contratadas, incluindo o que foi entregue para cada unidade de saúde.

Jorge Kajuru solicitou a relação de todo os contratos pagos pela secretaria entre os anos de 2011 e 2013, além da evolução detalhando os gastos com a folha de pagamento 2010 e 2017 na pasta. Segundo ele, no período houve um aumento R$ 400 milhões.

Já Cristina Lopes solicitou que a Secretaria Municipal de Saúde explique a dispensa de licitação para a contratação para operação e manutenção de um software para a gestão de saúde pública.

Ficou definido que a CEI se reunirá duas vezes na semana, sendo uma reunião na Câmara Municipal e outra em outros locais, realizando, dessa forma, visitas a unidades de saúde e órgãos públicos. As reuniões alternarão também entre os períodos matutino e vespertino.

A próxima reunião da CEI ficou marcada para esta sexta-feira (20), às 9 horas, na sede da Secretaria Estadual de Saúde.