Sabrina Garcêz diz que situação só não está pior, porque servidores são muito dedicados. “Secretaria não dá apoio”

Vereadora Sabrina Garcêz | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

[relacionadas artigos=”171965″]

A vereadora Sabrina Garcez (PTB), presidente da Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Educação da Câmara Municipal de Goiânia, já iniciou a fase de visitas às unidades de ensino da Capital. Nesta segunda-feira, 1º, a parlamentar esteve na escola Prof. Leonísia Naves de Almeida, na região Noroeste de Goiânia, onde conversou com pais, alunos e professores.

No local, ela constatou problemas como espaço físico insuficiente, banheiros em situação precária e salas de aulas instaladas em contêineres inseguros. A unidade é a maior da rede municipal de Educação. “Está faltando cuidadores para alunos autistas, com falta de mobilidade e outros e isso é garantido em Lei”, continua.

Sabrina observou, também, que algumas escolas passaram a receber crianças a partir de 4,5 anos e tiveram que improvisar salas para os pequenos. “Com a pressa da Secretaria Municipal de Educação em abrir novas vagas, as escolas foram pegas de surpresa. Só não está pior, porque os servidores são muito dedicados”, lamenta. “A secretaria não dá um apoio”, completa.

In loco

Garcez aponta que nesta segunda foi verificar os contêineres. Segundo ela, mesmo com três condicionadores de ar, o local permanece quente. Ela também afirma que quando chove, molha dentro da sala, inclusive nas fiações elétricas.

Além disso, ela conta que solicitou um laudo a um engenheiro, pois o Corpo de Bombeiros não poderia fazer. “Eu, que sou leiga, percebo que tem um problema. Por que gastar com contêiner, em vez de aumentar a estrutura física, já que tem o espaço? Por que improvisar com as crianças?”, preocupa-se a vereadora.

Durante esta semana a presidente da CEI afirma que as verificações nas escolas continuam. Na semana que vem, serão convocados alguns servidores. “Temos analisados alguns contratos que levantam algumas dúvidas. Vamos chamar os responsáveis, superintendentes da área e na medida em que surgirem novas dúvidas, vamos chamar outras pessoas”, elucida e afirma que, por último, será chamado o secretário de Educação, Marcelo Ferreira da Costa.

O Jornal Opção procurou a assessoria de comunicação da pasta, que disse que enviaria uma nota resposta. A matéria será atualizada, assim que obtivermos um posicionamento.