Após surto, direção do local decide adotar medidas sanitárias para conter avanços da pandemia

Ceasa | Foto: Divulgação

De acordo com as Centrais de Abastecimento de Goiás S/A (Ceasa-Go) há 38 casos confirmados da Covid-19 de trabalhadores do local. O levantamento foi realizado por profissionais de enfermagem contratados pelo entreposto. Ainda, outros oito casos suspeitos são investigado e quatro já foram descartados.

[relacionadas artigos=”259992″]


Após o surto da doença no local, a Ceasa-Go decidiu tomar ações para controlar as contaminações. Entre elas, fica instituído um Plano Emergencial de Combate à Covid-19 e um Grupo Especial de Trabalho com a finalidade de analisar os casos omissos, propor medidas emergenciais e de urgência e auxiliar a Diretoria Executiva na condução das ações necessárias ao enfrentamento da disseminação do vírus. O grupo será presidido por Rogério Martins Esteves, diretor presidente da Ceasa.

Também será exigido das empresas que atuam na Ceasa a Licença Especial de Funcionamento – Covid-19, que exige comprovante de realização de exames nos funcionários e dirigentes para SARS-COV-2; prazo de sete dias para a comprovaçaõ dos testes; assinatura do Termo de Responsabilidade concordando com as medidas de contenção do vírus implantadas pela Ceasa-GO. Ainda, fica instituída uma Central de Ouvidoria para informações sobre o Plano Emergencial de Combate à Covid-19 e notificações obrigatória de casos existentes, suspeitos e denúncias.


A Ceasa-Go se compromete a realizar a limpeza e desinfecção do local e não deverá funcionar às quartas e sábados para sanitização dos espaços comuns. Ainda proíbe a circulação de ambulantes, implanta espaço de triagem com enfermeiros, proíbe imediatamente o consumo de bebidas alcoólicas em suas dependências. Também informou que fará controle rígido de entrada de pessoas com medição de temperatura e triagem, proíbe a entrada de trabalhadores não cadastrados e exige o uso de máscaras. Serão disponibilizados locais para higienização das mãos e álcool em gel nas áreas comuns.


Ela pede aos seus comerciantes que disponibilizem álcool em gel 70% para seus clientes, que dividam funções no momento da venda, mantenham distância segura entre os pontos de venda e as pessoas, utilizem faixas de distanciamento, embalem os alimentos com materiais próprios para o uso e não disponibilizem degustações. Todos os trabalhadores deverão utilizar máscaras luvas descartáveis de proteção. Ainda exige que não sejam feitas propagandas verbais de seus produtos e evitem conversar próximos aos produtos. Outra exigência é para que os corredores sejam mantidos livres e desimpedidos de mercadorias, carrinhos ou caixas.


Aos consumidores, a Ceasa-Go orienta que se escolha um representante para realizar a compra e que não seja do grupo de risco; que higienize as mãos antes de iniciar as compras e utilize álcool em gel sempre que for necessário; respeitar as delimitações de distância segura; não tocar alimentos e preferir os que estejam embalados; não consumir alimentos no local.


O diretor presidente da Ceasa-GO, Rogério Esteves, concederá coletiva nesta quarta-feira, 10, no estacionamento do prédio da administração às 8h30.