O deputado Deltan Dallagnol (Podemos-PR) teve uma recepção no Aeroporto Internacional Afonso Pena, próximo a Curitiba (PR), na manhã desta sexta-feira, 19, por parte de aliados que protestavam contra a sua cassação, após ter seu registro de candidatura indeferido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na última terça-feira.

Os deputados estaduais Tito Barichello (União-PR) e Fabio Oliveira (Podemos-PR) receberam Dallagnol e convocaram eleitores através das redes sociais para comparecerem ao local. No entanto, os registros compartilhados por Barichello mostram uma manifestação esvaziada pelas ruas da cidade.

Os vídeos publicados pelo deputado estadual não mostram apoiadores na entrada do aeroporto, nem durante o desfile dos parlamentares em cima de um trio elétrico por Curitiba.

Um outro registro compartilhado no Twitter mostra o grupo gritando palavras de protesto contra a cassação de Dallagnol ao microfone, mas sendo seguido por poucos carros durante o percurso. Barichello afirma que seu colega foi “cassado ilegalmente pelo TSE”.

“Vamos lutar pelos interesses da república de Curitiba. O medo não faz parte do nosso vocabulário. Já enfrentei facções criminosas e agora se tiver que enfrentar poderosos, vamos enfrentar poderosos. Essa decisão do TSE tem que ser modificada pelo Supremo porque não é justa e nem correta. Diga não! Somos todos Deltan Dallagnol agora”, protestou.

Durante a carreata, Dallagnol e seus aliados fizeram uma parada na Praça Nossa Senhora de Salette, em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo do estado do Paraná, para realizar uma oração em nome do ex-procurador.

A manifestação gerou repercussão nas redes sociais por parte de opositores, que debocharam da baixa adesão. O parlamentar André Janones (Avante-MG) descreveu a carreata como uma “marcha fúnebre”, enquanto o ex-deputado federal Jean Wyllys comentou que “essa decadência ainda é muito pouco para ele”.