Caso Queiroz: Quebra de sigilo de Flávio atinge ex-assessores de Jair Bolsonaro

Defesa do senador alega que ele é alvo de uma investigação ilegal

Fotos: Reprodução

A quebra dos sigilos bancário e fiscal na investigação sobre as movimentações financeiras do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), atinge ao menos cinco ex-assessores de Jair Bolsonaro.

Os assessores Daniel Medeiros da Silva, Fernando Nascimento Pessoa, Jaci dos Santos, Nelson Alves Rabello e Nathalia Melo de Queiroz trabalharam tanto no gabinete de Jair, na Câmara dos Deputados, como no de Flávio, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), ao longo do período que engloba a quebra dos sigilos, de janeiro de 2007 a dezembro de 2018.

A quebra dos sigilos é o primeiro passo judicial de investigação após um relatório do governo federal ter apontado movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta bancária de Queiroz, um militar aposentado que atuava como uma espécie de chefe de gabinete do filho de Bolsonaro na Alerj.

Ao todo, quebra de sigilo atinge um total de 86 pessoas e nove empresas, sendo ao menos 65 ex-assessores, o próprio senador e sua mulher, sua empresa, além de pessoas e firmas que fizeram transações imobiliárias consideradas suspeitas com Flávio.

O filho do presidente já tentou por duas vezes paralisar as investigações do caso, sob o argumento de quebra ilegal de sigilo bancário. Flávio perdeu no STF e no Tribunal de Justiça do Rio. A defesa do senador alega que ele é alvo de uma investigação ilegal. (Com informações da Folha de S. Paulo)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.