A publicação foi atualizada com o decreto nº 9.692, anunciado na última segunda-feira pelo governador Ronaldo Caiado (DEM), e que detalha quais estabelecimentos podem abrir e o que continua sem permissão de funcionamento

O Governo de Goiás publicou nesta semana uma nova edição da cartilha “Abre e Fecha”, elaborada pela Secretaria da Casa Civil, com o detalhamento dos estabelecimentos que podem voltar a funcionar e foco nos protocolos de segurança exigidos para o período de reabertura das atividades econômicas e sociais no Estado.

A publicação foi atualizada com o decreto nº 9.692, anunciado na última segunda-feira pelo governador Ronaldo Caiado (DEM), e que detalha quais estabelecimentos podem abrir e o que continua sem permissão de funcionamento durante o período de reabertura no Estado.

As medidas de segurança determinadas pelo Executivo buscam promover uma retomada mais segura e responsável das atividades econômicas, reduzindo os riscos de propagação e contágio pelo novo coronavírus, para que a rede de saúde não seja mais sobrecarregada.

A cartilha atualiza a edição anterior com as mudanças no isolamento intermitente e, segundo o secretário em exercício da Casa Civil, Alan Tavares, aborda o conteúdo do novo decreto de forma simples e didática para facilitar sua compreensão.

“Em todas as edições, nos preocupamos em manter os goianos bem informados sobre o que fazer ou não. Nós buscamos viabilizar um entendimento melhor das normas jurídicas, trazendo isso para o dia a dia do cidadão, da maneira mais clara possível”, ressaltou. “É um esforço para ampliar a adoção das práticas estabelecidas e dar maior eficácia à legislação”, reforçou o secretário em exercício.

Entre as exigências, vários setores terão que adotar protocolos específicos, como bares e restaurantes, que devem observar a lotação máxima de 50% de sua capacidade de acomodação para a reabertura, além de a intensificação da limpeza e desinfecção das superfícies dos estabelecimentos com álcool 70%.

Os protocolos, que estão disponibilizados na íntegra na página da Secretaria Estadual de Saúde, incluem o uso de máscaras, a proibição de aglomerações, o controle da entrada no estabelecimento e o distanciamento mínimo de um metro entre funcionários e clientes, entre outros.

Veja a cartilha: