Candidatura de Djalma Araújo é indeferida pela Justiça. Ele vai recorrer

Segundo juiz eleitoral, faltaram documentos e foto com fundo branco na registro. Assessoria do vereador vai apresentar o que foi pedido ainda nesta sexta-feira

| Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

Na decisão, o juiz ressalta que Djalma já havia sido notificado para fazer a adequação da candidatura | Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

Em decisão publicada nesta quinta-feira (8/9) a candidatura de Djalma Araújo (Rede), que concorre à Prefeitura de Goiânia, foi indeferida pela Justiça Federal. A do seu vice, Valmiro Batista, também foi indeferida, por consequência. O problema, segundo a sentença, é a falta de documentos exigidos no momento do registro, como as certidões da Justiça Federal de 1º Grau, da Justiça Estadual, e foto com fundo branco.

O juiz também acrescenta que não foram “detectadas ou informadas causas de inelegibilidade”, mas que “o requerimento de registro da candidatura a prefeito não cumpre as condições de elegibilidade”.

A assessoria de Djalma informou que foi um erro de “falta de atenção” e que a candidatura não está em risco. Eles informaram que irão entregar os documentos faltantes ainda nesta sexta-feira (9) e que “a situação vai estar regularizada na segunda-feira”.

Agora, o juiz eleitoral responsável pela sentença, Donizete Martins, pode juntar o material aos autos e encaminhar à instância superior, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), ou se retratar e revogar a decisão. O mais provável, segundo o chefe do cartório da 133ª Zona Eleitoral, Daniel de Lima, é que o processo seja enviado ao TRE.

Daniel ressaltou que Djalma já havia sido intimado pela zona a regularizar a situação, mas não o fez. Ele afirmou ainda que, a partir deste ano, o TRE adotou um novo sistema de publicidade que facilita o acompanhamento dos processos. “O TRE criou o mural eletrônico, que é uma sistemática nova para que os candidatos possam acompanhar as intimações e sentenças  diariamente à partir das 19 horas, então ficou mais simples”, pontuou.

Deixe um comentário