Candidatos à prefeitura de Goiânia apresentam primeiras propostas em debate da Acieg

Encontro foi realizado com sete dos quinze postulantes à prefeitura da capital e foi primeiro confronto das eleições neste ano na capital

Foto: Reprodução | Acieg.

A Associação Comercial, Industrial e de Serviços do Estado de Goiás (Acieg) realizou nesta quinta-feira, 8, debate com sete dentre os 15 candidatos à Prefeitura de Goiânia. É o primeiro das eleições municipais de 2020 na capital.

Com base na pesquisa Serpes, foram convidados os sete candidatos mais bem colocados no ranking de intenção de votos: Maguito Vilela (MDB), Adriana Accorsi (PT), Vanderlan Cardoso (PSD), Elias Vaz (PSB), Fábio Júnior (UP), Virmondes Cruvinel (Cidadania) e Alysson Lima (Solidariedade).

Entre as principais propostas apresentadas pelos candidatos durante o debate, Fábio Júnior defendeu o IPTU progressivo. “Assim criamos condições de angariar esse recurso para a prefeitura, já que vivemos um período de contingenciamento de recursos para que consigamos fazer políticas públicas”, afirmou.

O candidato da UP ressaltou que as principais pautas do seu plano consideram as discussões sobre reforma urbana, de maneira que seja repensada a habitação e a relação com a periferia da cidade.

Para Adriana Accorsi, a saúde é uma das maiores angústias da população hoje. “Precisamos investir em saúde básica. Estruturar e fortalecer as estruturas das regiões e bairros. Fortalecer o programa saúde da família, que é fundamento do SUS e universalidade da família. Precisa ser um programa que funcione de maneira preventiva, como em casos de diabetes e problemas cardíacos”, apontou.

“Também valorizar os profissionais de saúde, ter estrutura digna para trabalhar e servir à população. Na questão das especialidades, precisamos de unidades de pediatria que funcionem 24 horas em todas as regiões da cidade”, pontuou Adriana.

Sobre mobilidade urbana, Virmondes Cruvinel afirmou que pretende dar sequencia às coisas positivas já realizadas. “É preciso pensarmos na mobilidade como um todo, pensarmos usando as ferramentas da tecnologia, construir uma central de controle semafórico, uso de sinalização em ondas verdes, aplicativos integrados ao transporte da cidade para que o cidadão tenha opção de fazer uso do transporte de acordo com sua conveniência, rapidez e qualidade. É preciso incentivar bicicletas e outras formas de transporte e pensar no pedestre”, falou.

Alysson Lima destacou a expansão da violência contra a mulher. “Precisamos estabelecer políticas públicas à mulher não apenas de proteção à violência, mas também para que ela possa ser protagonista na sociedade, em relação ao espaço que ela merece, como a qualificação profissional, suporte social de outras estruturas como na Semas, ouvidoria para atender a mulher, que hoje é a base da família”, disse.

Vanderlan Cardoso pontuou a necessidade de aproximar a administração pública municipal da população. “Goiânia precisa dos polos de desenvolvimento. Goiânia precisa levar as regionais para que a população, principalmente aquelas mais distantes, tenham acesso a essa administração que hoje está muito distante” pontuou.

O candidato do PSD ainda afirmou que é preciso investir em oportunidades para os jovens se qualificarem. “Oportunidade para terem seu emprego e seu próprio negócio. Estamos apresentando um projeto que é nossos polos de desenvolvimento e levar para todas as regiões da capital. Em Goiânia temos áreas que cresceram e se desenvolveram, mas não tivemos ações voltadas para geração de emprego e renda, qualificação profissional e firmar as pessoas em suas regiões. Todas terão ações voltadas para a juventude para que possam crescer e se desenvolver”, disse.

Maguito Vilela destacou a educação como maior investimento de qualquer cidade. “A educação combate tudo que é errado e ruim e privilegia tudo que é importante para a humanidade. Acredito que a humanidade só vai melhorar no momento em que todos estiverem educados. Vamos zerar o déficit da educação infantil. Muitos CMEIs já estão sendo construídos. Essa é uma demanda que não para. Vamos investir muito no ensino fundamental e infantil, construindo CMEIS, escolas de tempo integral para que Goiânia seja um exemplo para o mundo”, garantiu.

Elias Vaz enfatizou que em sua gestão buscará se afastar da “velha política do toma lá, dá cá”. Como proposta, o candidato destacou as dificuldades para retirar licenças e alvarás. “Precisamos aprimorar o processo de gestão. Na prefeitura temos muitas questões que evidenciam o prejuízo à sociedade com sua ineficiência. Posso dar vários exemplos, quando atuei na comissão especial de inquérito da saúde, identificamos dez aparelhos de raio-x novos e verificamos que havia dois anos que os aparelhos estavam ali. Enquanto isso a prefeitura locou raio-x velhos e gastou R$14 milhões com a locação em dois anos…”, lembrou.

“Não dá para estrutura publica ser assim. Embora Goiânia tenha mais de 40 mil servidores, nenhuma política pública funciona de forma eficiente. Não é culpa dos servidores, mas um problema de gestão”, apontou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.