Campanha denuncia homofobia nas regras para doação de sangue no Brasil

Por portaria do Ministério da Saúde, homens homossexuais são considerados inaptos para doar sangue

Foto: Divulgação

“Caminhão de sangue” chamou atenção pelas ruas de São Paulo | Foto: Divulgação

Um caminhão de sangue por dia. Esta é a quantidade de sangue que deixa de ser doada diariamente no Brasil por uma regra do Ministério da Saúde que proíbe que homens homossexuais doem sangue.

Os dados são da campanha Wasted Blood, que chamou atenção para o problema levando um caminhão com centenas de bolsas de sangue às ruas de São Paulo, simbolizando o que poderia fazer parte dos bancos de hemocentros em todo o país.

Segundo a portaria Nº 2.712, de 2013, do Ministério da Saúde, são considerados inaptos por 12 meses os candidatos a doadores de sangue homens que tenham tido relações sexuais com outros homens.

Na mesma regra, devem se abster de doar sangue por um ano as pessoas que tenham sido vítimas de violência sexual, tenham feito piercing ou tatuagem sem condições de avaliação quanto à segurança do procedimento, ou tenha tido relações sexuais com pessoas infectadas pelo vírus HIV, Hepatite B, hepatite C ou outra infecção de transmissão sexual ou sanguínea, sexo em troca de drogas ou dinheiro, ou caso tenha tido um ou mais parceiros ocasionais ou desconhecidos.

A campanha questiona que grande parte do critério de admissibilidade de um doador é uma entrevista em que a pessoa responde uma série de perguntas sobre saúde e estilo de vida, feita antes de realizar a doação com a finalidade de proteger os receptores. “Eu me cuido, me previno, faço exames regularmente, não uso drogas injetáveis e mesmo assim na aceitam meu sangue”, questiona um dos apoiadores da campanha. ”

No questionário, são analisados os históricos de cirurgias e procedimentos invasivos, de doenças infecciosas, de enfermidades virais, parasitárias e bacterianas, o estilo de vida e as situações de risco vivenciadas pelo candidato.

Além disso, todo o sangue colhido em bancos públicos e privados do Brasil deve obrigatoriamente passar por testes que permitem a identificação de vírus como o HIV e HCV, que causa a Hepatite tipo C.

O site da Wasted Blood traz ainda faz uma fila virtual para que homossexuais que estariam dispostos a doar sangue se cadastrem, mostrando a quantidade de sangue que estaria sendo potencialmente desperdiçado por causa da regra e convida para que homens gays ou bissexuais se cadastrem. “Milhares de pessoas estão precisando de sangue neste exato momento, mas o preconceito impede que elas recebam ajuda. Se você é um homem gay ou bissexual, entre na nossa fila de doadores virtuais”

A iniciativa é do movimento global de defesa dos direitos da comunidade LGBT, All Out e traz a mensagem: “O Brasil desperdiça mais de um caminhão cheio de sangue todo dia por puro preconceito”.
Veja o vídeo:

Deixe um comentário