Campanha de vacinação contra sarampo e polio tem início em Goiás

Meta é vacinar no mínimo 95% das crianças de 1 ano a 4 anos, 11 meses e 29 dias

A Campanha de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo começa nesta segunda-feira, dia 6, e prossegue até o próximo dia 31, com lançamento às 8h30, na Unidade Básica de Saúde do Jardim Tiradentes, em Aparecida de Goiânia.

A meta é vacinar no mínimo 95% das crianças de 1 ano a 4 anos, 11 meses e 29 dias, o que representa 346.364 de um total de 364.626. O secretário da Saúde de Goiás, Leonardo Vilela, faz um apelo aos pais ou responsáveis para vacinar as crianças de 1 ano a menos de 5 anos contra a paralisia infantil e o sarampo.

Em pronunciamento na reunião sobre a campanha, Leonardo Vilela apontou a necessidade da proteção das crianças contra as duas doenças, consideradas extremamente graves. “O sarampo pode causar a morte das crianças e a poliomielite, mais conhecida como paralisia infantil, deixa sequelas que limitam e comprometem a vida das pessoas. Essa triste realidade foi muito comum no passado”, pontuou.

Em caso de notificação das doenças, a Secretaria da Saúde tem plano de ação já estruturado para assistência às crianças no Estado. O Dia D da campanha, na qual será feito um chamamento a toda a população para a importância da imunização, vai acontecer no dia 18 de agosto, sábado.

O apelo feito pelo secretário tem como fundamento a entrada no País do vírus do sarampo por meio de moradores da Venezuela e também pelos registros de casos da doença em Roraima, Amazonas, Rondônia, Rio Grande do Sul e São Paulo.

O sarampo é uma doença altamente transmissível e tem como principais sintomas febre alta, erupções na pele (exantema), tosse, coriza, conjuntivite e manchas brancas na mucosa bucal.

Já a poliomielite é uma enfermidade erradicada no Brasil em 1994. Contudo, existem casos registrados em outros países, o que aponta a necessidade de realizar a vacinação no território brasileiro. O vírus que transmite a doença também é de fácil contaminação e causa paralisia flácida nas pernas.

“O Brasil é um País que recebe visitantes estrangeiros todos os dias. E, por esse motivo, a transmissão da doença vinda de outra nação é possível. Assim, por precaução sanitária, as crianças brasileiras devem se proteger com a vacina para ficarem livres dessa enfermidade também”, adverte o secretário.

Leonardo Vilela chama a atenção ao fato de a cobertura vacinal das duas doenças ter diminuído nos últimos anos. Dados da SES-GO revelam que a cobertura vacinal contra caxumba, rubéola e sarampo – doenças protegidas pela Tríplice Viral – caiu de 108,94%, em 2008, para 68,2% neste ano. Já no caso da poliomielite, no mesmo período, a cobertura caiu de 104,18% para 57,75%.

Plano de ação

Leonardo Vilela destaca que a vacinação é o meio mais efetivo de prevenir as duas doenças e evitar a disseminação do vírus. Além de garantir a imunização das crianças, a SES-GO também desenvolveu um plano de ação que prevê a qualificação dos profissionais de saúde sobre o manejo clínico e diagnóstico das doenças e a reserva de leitos de unidades de terapia intensiva e de isolamento dos pacientes.

A superintendente de Vigilância em Saúde da SES-GO, Maria Cecília Martins Brito, acentua que os técnicos de saúde dos 246 municípios do Estado já fizeram um curso de atualização sobre a sala de vacina. Além disso, a SES-GO vai realizar no dia 17 de agosto, com representantes do Estado, dos municípios e das universidades para discutir, com profundidade, a assistência ao paciente de sarampo e poliomielite.

Deixe um comentário