Nos bastidores, há relatos de que políticos opositores apelaram ao Ministério Público para impedir o serviço

A coligação “Garantia de um futuro melhor para Goiás”, encabeçada pelo governador e candidato à reeleição Marconi Perillo (PSDB), divulgou neste domingo (21/9) uma nota em que afirma que os partidos de oposição estariam tentando “sabotar” a extensão do Eixo Anhanguera para os municípios de Senador Canedo, Goianira e Trindade. O serviço está em pleno funcionamento desde o último sábado (21). Ao todo, são 13 ônibus biarticulados que fazem o itinerário pelo valor de R$ 1,40.

De acordo com a publicação do grupo governista, nos bastidores, há relatos de que políticos de oposição apelaram ao Ministério Público para impedir a extensão do Eixo. O argumento utilizado pelos opositores seria o de que a medida se configuraria em ação “eleitoreira e oportunista”. “Nenhum promotor ou procurador, até o momento, se declarou contrário à medida – que vale a pena ressaltar: deve atender 312 mil usuários do transporte coletivo a partir desta semana”, destaca o informe.

Além disso, a nota também cita o prefeito de Senador Canedo, Misael Oliveira (PDT), aliado do governadoriável Vanderlan Cardoso (PSB). Conforme a publicação, o político, que administra um dos municípios beneficiados com a medida, teria sido contrário à extensão durante a apreciação na Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC).

“Ainda não está confirmada a tese de que o comportamento de Misael foi avalizado por Vanderlan, mas o fato é que ele lançou mão de todo tipo de artimanha para criar obstáculos à extensão do Eixo na Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC), que teve de aprovar a medida antes de ela ser colocada em prática”, alegou a campanha governista na publicação, emendando que o prefeito teria ofendido o representante do governo de Goiás no colegiado, o secretário João Balestra.

O projeto de extensão do Eixo Anhanguera foi aprovado na CDTC no último dia 16. Na ocasião, por conta do período pré-eleições, também foi acordado uma consulta ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-GO) sobre a medida a fim de evitar descumprimento de regras eleitorais.