Em resposta ao Jornal Opção, a Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) diz que o atraso na coleta do lixo orgânico da cidade se deu por conta de caminhões que estavam quebrados. Há mais de dez dias, moradores denunciam lixeiras abarrotadas em vários bairros de Goiânia. Na última sexta-feira, 13, vereadora Aava Santiago (PSDB) chegou a acionar o Ministério Público (MP) para que situação fosse resolvida.

A empresa diz ainda que trabalha no sentido de colocar a coleta de lixo orgânico em dia na cidade e que as pendências “foram praticamente zeradas no final de semana”. A Companhia diz ainda que além de executar a coleta normal, está fazendo trechos que não foram feitos ontem por causa de quebra nos caminhões.

A prefeitura informa ainda que os caminhões de coleta têm vida útil de 12 meses, de acordo com manual do Tribunal de Contas do Município. Perguntado sobre quantos estão funcionando e quantos estão parados, a empresa não informou até o fechamento dessa matéria. Também deixaram de informar qual o valor gasto por mês com manutenção da frota.

Em nota divulgada à imprensa, a Comurg declarou o que segue:

“A Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg), trabalha em uma força-tarefa para deixar a cidade limpa. Até o momento, 70% da cidade já está com a coleta de resíduos orgânicos em dia, e até o próximo domingo, dia 22, o serviço estará completamente normalizado. Em relação aos atrasos nos serviços, o presidente da Comurg, Alisson Borges, esclarece que foram motivados pela quebra dos caminhões compactadores devido ao tempo de uso do maquinário”

Leia também:

Vereadora denuncia ao MP falta de coleta de lixo em Goiânia

CEI da Comurg: relatório final é publicado sem os documentos anexados