Câmara gastará mais de 400 mil com vereador afastado pela Justiça

Legislativo decidiu adiar convocação de suplente para depois do recesso parlamentar. Zander Fábio continua com salário e bancando funcionários no gabinete

A Câmara Municipal de Goiânia decidiu adiar para depois do recesso a convocação do suplente do vereador Zander Fábio (PEN), afastado do cargo pela Justiça por suspeita de envolvimento no esquema de corrupção e desvio de dinheiro na Agência de Turismo e Lazer de Goiânia (Agetul).

Com isso, o poder Legislativo gastará, ao todo, cerca de R$ 486 mil, considerando que ele pode ficar afastado por até seis meses. Segundo decisão judicial, o vereador deve se abster de suas funções parlamentares, mas continua tendo direito ao salário e benefícios e o gabinete pode continuar em funcionamento.

O cálculo foi feito com base em informações antes contidas no portal da transparência da Câmara Municipal e publicados em matéria do Jornal Opção, em novembro. A reportagem buscou o site para verificar se os valores estão atualizados, mas este esteve fora do ar durante toda a semana. Também foram procuradas a procuradoria e a presidência da Câmara para esclarecimentos sobre o assunto, mas também não houve resposta.

Zander foi afastado no dia 31 de agosto do ano passado por um período de 180 dias, ou seja, seis meses, ou até o fim do trâmite de seu processo no Judiciário. Desde então, as sessões ordinárias têm sido realizadas com a presença de apenas 34 parlamentares.

Quando da decisão judicial, o presidente da Câmara Municipal, Andrey Azeredo (MDB), decidiu não convocar o suplente Carlos Soares (PT) por pelo menos 120 dias. Este prazo se expirou no início de janeiro, mas foi estendido para quando voltarem as atividades parlamentares, no próximo dia 1º de fevereiro.

Dessa forma, quando voltarem os trabalhos, faltará menos de um mês para o fim do prazo de afastamento estipulado pelo juiz.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.