“Caiado vai na contramão da história”, afirma empresário após proposta sobre incentivos fiscais

Governador eleito, Ronaldo Caiado, sugeriu corte de R$ 1 bilhão em incentivos em Goiás

Cyro Miranda, um dos fundadores e conselheiro da Adial | Foto: Divulgação

A reunião entre a Associação Pró-Desenvolvimento Industrial do Estado de Goiás (Adial) e o governador governador eleito Ronaldo Caiado (DEM), realizada na manhã desta quinta-feira (22/11), manteve a polêmica dos benefícios fiscais. O democrata apresentou uma proposta sobre incentivos que parece não ter agradado muito.

Ao analisar a proposta, que prevê a redução da política de incentivos fiscais no Estado, com impacto de R$ 1 bilhão por ano, um dos fundadores e conselheiro da Adial, Cyro Miranda, disse que o governador eleito vai na contramão da história de Goiás. “Já tenho a informação que Minas Gerais vai implantar uma politica agressiva de incentivos, assim como Brasília, que sancionou essa semana a Lei”, disse o ex-senador ao explanar que “isso só mostra como Goiás está retrocedendo numa luta de 20 anos, que é a de atrair empresas para nosso estado”.

Para Cyro, Caiado está mal assessorado, e quem fez o estudo da proposta analisada hoje pela Adial, segundo ele, desconhece a realidade do estado. “Goiás não terá mais uma política desenvolvimentista e sim arrecadadista e isso, como sabemos, é retrocesso. Algumas empresas, a exemplo da Unilever, já sinalizaram que vão deixar Goiás, como é o caso da Mitsubishi, que já informou que encerrará a produção  e que pretende sair do estado”, contou.

O empresário teme, ainda, um isolamento de Goiás quando a notícia dessa regressão na política de incentivos se espalhar pelo Brasil. “Brasília que já sancionou a convalidação dos incentivos fiscais é aqui do lado. Logo, as indústrias migrarão para lá”, disse Cyro ao garantir que os empresários saíram arrasados da reunião com o governador.

Outro aspecto que o conselheiro da Adial destacou foi o fato de Caiado, após a reunião, transferir a responsabilidade de negociação dos incentivos fiscais com os deputados estaduais. “Quando sinalizamos que apresentaríamos uma contraproposta, o governador se esquivou e disse que agora a discussão é com a Assembleia, sendo que isso é um assunto para ser discutido com o Poder Executivo”, falou.

6 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Geraldo de Sousa Ribeiro

Esse tal de Ciro Miranda ainda existe ! Incentivos fiscais devriam ser concedidos apenas para nós, que pagamos rigorosamente em dia os impostos. Para ou outros, que sejam aplicados os incentivos da justiça….

Rogério Inácio Cruvinel

Não vejo desta forma Sr Cyro Miranda, isenção sem retornos? Será que só a geração de empregos é suficiente para o estado? Penso que nessas regiões onde já temos demandas de consumo, tem sim de cobrar dessas multinacionais que só estão aqui para explorar, veja o caso da Unilever, fechou uma empresa goiana, de imediato já transferiu parte da fabricação de outros produtos, como é o caso da maionese, e ficou aqui só para poluir o Goiânia 2. Estudos sim, tinham de serem feitos para as indústrias goianas, de gente goiana e fazer um trabalho de incentivos fiscais para as… Leia mais

Eduardo Lucas

Tem ideologistas demais na SEFAZ.

RONALDO CAVALCANTE

O Empresario Cyro Miranda é aquele suplente do Marcone Perillo derrotado por Kajuru
tá explicado. a mais de 20 anos empresas vem sendo implantadas no Estado financiadas pelo BNDS e com isenções fiscais pelo Estado de Goiás . Como o Frigorifico JBS em Mozarlândia que paga miseros salarios aos trabalhadores e levam a carne de qualidade para o exterior . Precisa de uma revisão urgente nessas isenções fiscais. O Brasil precisa de ser passado a lompo é ora de cortar no osso. E o Daniel Vilela calado é um poeta.

Valdomiro Junior

O momento é de muita cautela. O que parece ser ruim hoje pro nosso estado pode ficar pior. Imagina todas essas indústrias fechando as portas e demissao em massa. Não estamos em condições de ditar regras. O Governador eleito não é homem de diálogo. É um político que não aceita opiniões. Falo com conhecimento de causa. Infelizmente ganhou meu voto. Itumbiara perdeu a Suzuki agora Catalão perde a Mitsubishi e assim nosso estado vai perdendo duras conquistas. Ao contrário dos Governadores eleitos de Minas e Brasília que estão planejando exatamente o contrário.

CIDY REIS NUNES DA SILVA

Simples marca outra reunião e fala que Goiás ta quebrado puta que pariu o qe ta acontecendo ja pensaram nas milhares de famílias sem emprego seis filha daputa e fácil chegar e decretar as coisas o qe adianta eles vao embora levam os empregos e outras coisas para outros estados e nosso fica aqui sem nada so com prejuízo acorda Goiás nao e so emprego que estas empresas trazem pra goias e receita tambem pois aqueles empregados compram roupas na lojinha da dona maria compra arroz no mercadinho do joao e dona maria e seu joao pagao impostos e assim… Leia mais