Caiado prevê pagamento da Data-base de servidores ainda neste mês

Governador ressaltou o diálogo realizado com os presidentes de sindicatos do estado 

O Projeto de Lei de iniciativa do governo que reajusta em 10,16% a Data-base dos servidores públicos estaduais foi encaminhado pelo governador Ronaldo Caiado (UB) à Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) nesta terça-feira, 8. A previsão é que em 10 dias a proposta seja aprovada e o reajuste seja pago aos servidores públicos ainda neste mês. O índice é quase o dobro do que foi anunciado em fevereiro, 5,5%. 

“Foi algo histórico no meu governo. Porque, querendo ou não, vamos chegar ao final do governo onde nós soubemos conversar, dialogar, e vamos encerrar o governo, se Deus quiser, sem nenhuma greve, sem nenhum desentendimento, sem nenhuma radicalização com os servidores”, avalia Caiado. As negociações ficaram a cargo do secretário-chefe da governadoria Adriano Rocha Lima, que se reuniu com cerca de 100 representantes de sindicatos de servidores públicos desde o mês passado. As negociações foram intensificadas na última semana e resultaram no acordo ocorrido na manhã desta terça. À mesa de negociações, dentre os assuntos, foi abordado a questão do teto de gastos. Tema que foi reforçado por Caiado, ao relembrar o Estado teve que pagar uma multa de aproximadamente R$ 1 bilhão, por não cumprimento da meta em 2018.

O governo informou que antecipou as negociações com os servidores devido ao período eleitoral. Ao ser proposto neste mês foi possível, por exemplo, atender o limite estabelecido pelo Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que permite a aplicação de reajustes com base na inflação do ano anterior. “Se nós deixássemos passar o dia 2 de abril, nós só poderíamos reajustar em 5,6%, porque nós já estaríamos no período do processo eleitoral”, salientou o governador, esclarecendo o que determina a legislação.    

Nas reuniões, representantes sindicais ponderaram que a Data-base não é paga pelo Governo Estadual desde 2016, ano em que Goiás era administrado por Marconi Perillo (PSDB) e seguiu sem ser efetivada durante todo o governo José Eliton (PSDB). Caiado alegou que as dividas deixas pelas administrações anteriores impediram reajustes antes deste ano. Apesar da categoria ter pedido reajuste de 25,5%, governo e servidores chegaram em um acordo e a Data-Base foi definida em 10,16%. Agora, os esforços do governo são para que a diferença salarial seja paga ainda este mês.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.