Caiado pede que eleitor derrube o PT, “quadrilha que domina o País”

Ele é aliado ao PMDB goiano, mas apoia Aécio Neves para presidente. Reportagem da “Veja” diz que Dilma e Lula sabiam de desvios na Petrobras

O deputado federal e senador eleito por Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), utilizou as redes sociais na última sexta-feira (24/10) para comentar as recentes denúncias contra a presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ambos do PT, publicadas pela revista “Veja” desta semana.

Em um vídeo de menos de 30 segundos postado em seu perfil no Facebook, o democrata pede para que o eleitor derrube por meio do voto, no próximo domingo (26), a “quadrilha que domina o País”. “Quer vacinar o Brasil contra a corrupção? Vote Aécio [Neves, do PSDB]”, afirmou.

Mesmo sendo eleito pela coligação Amor por Goiás, do PMDB de Iris Rezende, que declarou apoio à reeleição de Dilma Rousseff no Estado — caso recebesse o apoio do petista Antônio Gomide no segundo turno —, Ronaldo Caiado está aliado com o PSDB nacional. O partido tem o senador mineiro Aécio Neves como candidato ao Palácio do Planalto. “A que ponto nós chegamos: essa denúncia grave publicada hoje [ontem] pela revista Veja e a presidente da República diz que é terrorismo eleitoral”, ressaltou.

Dilma Rousseff tem como vice Michel Temer, do PMDB.

“Petrolão”

A edição do periódico foi adiantada e traz no título uma reportagem explosiva: “Petrolão — Dilma e Lula sabiam de tudo, diz Alberto Yousseff à PF”. A matéria relata que na última terça-feira (21) o doleiro Alberto Yousseff “entrou na sala de interrogatórios da Polícia Federal em Curitiba para prestar um depoimento em seu processo de delação premiada”.

Apontado como “banqueiro” de políticos do PT, do PMDB e do PP, além de associado com empreiteiras, Alberto Yousseff decidiu abrir o jogo sobre o esquema de lavagem de dinheiro. Estima-se que o rombo aos cofres da Petrobras pode ter chegado a R$ 10 bilhões.

Barbaridade

A presidente Dilma Rousseff (PT) dedicou parte do seu programa eleitoral na televisão e no rádio deste sábado (25) para afirmar que a matéria publicada na revista é uma “barbaridade, infâmia e crime”. A petista negou que era omissa ao esquema o que, segundo a candidata, já seria um absurdo. “A Veja faz campanha sistemática contra mim e contra Lula”, disse.

A candidata entrou com um pedido para que a reportagem fosse retirada da página do Facebook ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas a solicitação foi negada.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.