Ex-juiz e ex-ministro da Justiça de Bolsonaro pode ser retirado do partido caso não desista da candidatura à Presidência

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União Brasil), uniu-se ao grupo que pede a desfiliação do ex-juiz Sergio Moro da União Brasil. “Se ele for se filiar para ser candidato a presidente, vamos pedir a impugnação da filiação dele agora”, declarou. A reação surge após o pronunciamento de Moro na última sexta-feira, 1º, em que declarou não ter desistido de concorrer ao cargo de presidente da República nas eleições de 2022.

[relacionadas artigos=”390815″]

Ainda na quinta-feira, o grupo – que além de Caiado, inclui ACM Neto, o ex-senador José Agripino Maia, o deputado Efraim Filho (PB), a deputada Professora Dorinha (BA), o ex-ministro Mendonça Filho, o senador Davi Alcolumbre e o prefeito de Salvador, Bruno Reis – já havia soltado uma nota em que diziam que devia ser “claro que o eventual ingresso (de Moro) ao União Brasil não pode se dar na condição de pré-candidato à Presidência da República”.

O grupo composto pelos oito integrantes do partido corresponde a 49% do colegiado total. Caso a filiação seja impugnada, precisa alcançar 60% de apoio dos membros para ter validade.

Antes da filiação, membros do partido declararam que o ingresso de Moro na União Brasil deveria ocorrer para um projeto estadual, com candidatura posta para a Câmara ou para o Senado, por exemplo.