Caiado assina carta junto a governadores contra Fake News sobre pandemia

Documento foi assinado por 16 governadores brasileiros e pede providências do presidente Jair Bolsonaro, dentre outras autoridades para coibir notícias falsas

Foto: Reprodução/ Super Interessante

Ronaldo Caiado (DEM) assinou junto com outros 15 governadores uma carta contra a crescente onda de Fake News com intuito de desestabilizar as instituições estaduais e nacional no que se refere à pandemia de Covid-19.

“Os governadores, juntamente com os servidores públicos e profissionais do setor privado, estão lutando muito para garantir atendimento de saúde e apoio social à população. Enquanto isso, alguns agentes políticos espalham mentiras sobre dinheiro jamais repassado aos estados, fomentam tentativas de cassação de mandatos, tentam manipular policiais contra a ordem democrática, entre outros atos absurdos”, diz o documento.

“Registramos especialmente o nosso protesto quando são autoridades federais, inclusive do Congresso Nacional, que violam os princípios da lealdade federativa”, acrescenta.

A iniciativa ocorre após publicação nas redes sociais da deputada Bia Kicis (PSL), em que questiona a morte do soldado da Polícia Militar na Bahia que efetuou disparos durante um surto psicótico. A parlamentar também incitou motim, mas depois apagou a postagem. Ela é investigada na CPI das fake news. Além dela, Eduardo Bolsonaro também defendeu o PM morto.

O ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) também incitou a violência contra guardas municipais que fiscalizam os decretos estaduais de fechamento do comércio. Também questionamentos que têm surgido na internet sobre como tem sido usado as verbas destinadas aos estados pelo governo federal no combate à pandemia. Além disso, as diversas notícias falsas que tem se espalhado na web e que tem prejudicado no combate à Covid-19.

Na carta, os governadores conclamam o presidente da República, Jair Bolsonaro, o presidente do Senado Rodrigo Pacheco, da Câmara dos Deputados Artur Lira, e Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), para adotar providências com intuito de coibir tais ações.

Leia carta na íntegra:

CARTA DOS GOVERNADORES: QUEREMOS VERDADE E PAZ
Os governadores manifestam sua indignação em face da crescente onda de agressões e difusão de Fake News que visam a criar instabilidade institucional nos Estados e no País. Vivemos um período de emergência na saúde, e a vida de todos os brasileiros está em grave risco.

Os governadores, juntamente com os servidores públicos e profissionais do setor privado, estão lutando muito para garantir atendimento de saúde e apoio social à população. Enquanto isso, alguns agentes políticos espalham mentiras sobre dinheiro jamais repassado aos estados, fomentam tentativas de cassação de mandatos, tentam manipular policiais contra a ordem democrática, entre outros atos absurdos.

Registramos especialmente o nosso protesto quando são autoridades federais, inclusive do Congresso Nacional, que violam os princípios da lealdade federativa.

Conclamamos o Presidente da República, os Presidentes da Câmara dos
Deputados e do Senado Federal, bem como o Presidente do Supremo Tribunal Federal, para que adotem todas as providências de modo a coibir tais atos ilegais e imorais.

Os Estados e todos os agentes públicos precisam de paz para prosseguir com o seu trabalho, salvando vidas e empregos. Estimular motins policiais, divulgar Fake News, agredir Governadores e adversários políticos, são procedimentos repugnantes, que não podem prosperar em um país livre e democrático.

Finalmente, sublinhamos a nossa gratidão a todos os servidores públicos e profissionais que têm atuado incessantemente para vencermos a pandemia.

Merecem especial destaque as forças policiais, que têm a nossa solidariedade e apoio em relação a reivindicações justas quanto à vacinação, pleito em análise no âmbito do Ministério da Saúde pela Comissão Intergestores Tripartite – CIT.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.