Bruna Brelaz, primeira presidente negra eleita da UNE, define prioridades

A estudante assume a UNE em meio aos protestos pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro, os cortes na pasta de educação que ameaçam os programas de permanência e o funcionamento de universidades

Nascida em Manaus, no Amazonas, a estudante de direito, Bruna Brelaz, de 26 anos, tornou-se, ao assumir o cargo neste fim de semana, a primeira mulher negra e do Norte do país a comandar a União Nacional dos Estudantes. A entidade é um dos principais espaços de lutas sociais e a mais importante do movimento estudantil brasileiro.

Bruna Brelaz é filiada à UJS (União da Juventude Socialista), presidiu a UEE-AM (União Estadual dos Estudantes do Amazonas) entre 2015 e 2017. A jovem chega à presidência da UNE, após ocupar a diretoria de Relações Institucionais e Tesouraria.

A estudante assume a UNE em meio aos protestos pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro, os cortes na pasta de educação que ameaçam os programas de permanência e o funcionamento de universidades.

A próxima gestão deve lidar com desafios como a revisão da Lei de Cotas no próximo ano, reposição no orçamento das universidades e regulamentação para o ensino híbrido. Ações e projetos para permanência estudantil e a questão das altas taxas de evasão também estão na lista de prioridades.

Bruna quer ampliar a mobilização e o debate em defesa da Amazônia, levando campanhas e ações para as universidades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.