Brasil pode registrar aumento exponencial dos casos de coronavírus nas próximas semanas

Autoridades de Saúde trabalham para reforçar ainda mais a atenção primária das unidades de saúde do País. De acordo com ministério, 42 mil postos são capazes de atender 90% dos casos de coronavírus

Teste para novo coronavírus | Foto: Reprodução

Autoridades reforçam atenção primária nas unidades de saúde numa tentativa de se preparar para o controle do coronavírus diante da possibilidade de crescimento dos casos da doença.

A projeção é de crescimento para o número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil. Até o momento, o número de pacientes diagnosticados com a infecção já atingiu os 34. No pior dos cenários, a previsão do ministério, segundo o jornal Folha de S. Paulo, é de que, em duas semanas e meia, o país registre um aumento exponencial desses casos.

Ainda de acordo com a publicação, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta pediu para que os dirigentes de cinco hospitais filantrópicos de referência no Brasil usassem recursos e pessoal envolvidos atualmente em projetos do Sistema Único de Saúde (SUS) no enfrentamento da epidemia.

“Foi pedido para que fiquemos atentos à curva de aumento de casos, nos resguardarmos de estruturas e pessoas e redirecionarmos os recursos do Proadi, durante a crise [do coronavírus], para projetos de atendimento e suporte dos hospitais públicos”, disse o médico Paulo Chapchap, diretor-geral do Hospital Sírio-Libanês, à Folha.

O Ministério da Saúde, inclusive, já enfatizou que 42 mil postos de saúde espalhados pelo país são capazes de atender 90% dos casos de coronavírus. Estudos indicam que a grande maioria dos casos de Covid-19 são mais leves e poderiam ser atendidos nesse nível de atenção.

A população pode buscar os serviços quando apresentar os sintomas iniciais do vírus, como febre baixa, tosse, dor de garganta e coriza. Para isso, o Ministério da Saúde está reforçando ainda mais a capacidade assistencial da Atenção Primária durante a emergência do coronavírus.

Cobertura de atendimento

Uma das ações de reforço na Atenção Primária é a alteração de alguns critérios do Saúde na Hora para facilitar a adesão dos municípios ao programa que estende o horário de atendimento dos postos de saúde. Atualmente, cerca de 1.520 postos de saúde já participam do programa, em 238 municípios.

Com a nova medida, a pasta pretende ampliar o horário de funcionamento em mais de 6,7 mil unidades (5,2 mil a mais) em cerca de 1,5 municípios, ampliando a cobertura de atendimento para mais de 40 milhões de pessoas. Para financiar a iniciativa, o Ministério da Saúde disponibilizou cerca de R$ 900 milhões que serão repassados aos municípios de acordo com a expansão da epidemia.

Goiás

A Secretaria de Estado da Saúde destacou que não há nenhum caso confirmado pela doença. Ao todo, dos 14  casos suspeitos, 12 já foram descartados e dois ainda seguem sob investigação.

Sem ônus

Vale lembrar que o Ministério Público Federal (MPF) recomendou à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que expeça ato normativo que assegure aos consumidores a possibilidade de cancelamento sem ônus de passagens aéreas nacionais e internacionais para destinos atingidos pelo novo coronavírus (Covid-19).

De acordo com informações da Agência Brasil, no entendimento do MPF, a cobrança de taxas e multas, em situações de emergência mundial em saúde, é prática abusiva e proibida pelo Código de Defesa do Consumidor.

A medida deve atender clientes de companhias aéreas que tenham adquirido passagens até 9 de março (data de assinatura da recomendação), tendo como origem os aeroportos do Brasil. Além disso, deve garantir também a possibilidade de remarcação de viagens para a utilização de passagens no prazo de até 12 meses.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.