Pastor Fábio Inácio diz que a Igreja Gay já conta com 3 mil fieis. Os pastores Silas Malafaia e Marco Feliciano não a reconhecem como instituição evangélica

Catedral da Igreja Cristã Contemporânea será inaugurada oficialmente na segunda-feira em Madureira, Zona Norte do Rio (Foto: Igreja Cristã Contemporânea/divulgação)

O mundo está mudando em termos de comportamento e o Brasil não fica atrás. O pastor Fábio Inácio de Souza [à esquerda, na foto acima], da Igreja Cristã Contemporânea, inaugura na segunda-feira, 7, a primeira catedral gay do país, em Madureira, Rio de Janeiro. A Igreja Gay já conta com 3 mil fiéis e está em ascensão.

Segundo o repórter Athos Moura, do jornal “O Dia”, “a intenção dos fundadores é minimizar a importância da opção sexual dos fieis e focar no evangelho. O pastor avalia que o fato de incluir a palavra gay na definição da igreja não a faz diferente das outras. Ele conta que os cultos são como o de outros templos evangélicos, a diferença é que a opção sexual dos integrantes é respeitada, inclusive a daqueles que são héteros e de famílias tradicionais”.

O pastor Fábio Inácio diz que “as pessoas estão sedentas pela palavra de Deus. Não queremos que elas mudem para ser aceitas. Estamos abertos para pessoas que se sentem excluídas”. Curiosamente, parte dos integrantes da Igreja Gay é heterossexual.

Já o pastor Silas Malafaia, segundo “O Dia”, sustenta que a primeira catedral gay não é uma igreja. Ele frisa que os dogmas e doutrinas das organizações religiosas evangélicas são contrários à homossexualidade. “Não é a Bíblia que tem que se adaptar a mim, eu que tenho que me adaptar a Bíblia”, afiança Malafaia.

O deputado e pastor Marco Feliciano também não avalia a Igreja Gay como uma instituição evangélica. “Deus fez homem e mulher e ponto. Não reconheço ministros, liturgias gays e nem igrejas gays. Eles torcem a palavra de Deus para se adaptar ao seu estilo errôneo de vida, provocam dúvidas nos incautos e pervertem o evangelho”, ataca Marco Feliciano.