Bombeiros são eletrocutados durante gravação de vídeo para o “Desafio do Gelo”

Oficiais da corporação receberam choque após jogarem água em universitários do alto de um caminhão

A foto que mostra o desafio do balde de gelo Foto: Reprodução / Twitter

A foto que mostra o desafio do balde de gelo Foto: Reprodução / Twitter

Quatro bombeiros de Campbellssville, no Kentucky (EUA), saíram feridos ao tentar ajudar um grupo de estudantes a cumprir o “desafio do gelo” – campanha para chamar a atenção para a esclerose lateral amiotrófica (ELA) e arrecadar dinheiro em prol das pesquisas para a doença.

Ao jogar água nos universitários do alto da escada de um caminhão, os bombeiros acabaram sendo atingidos por uma descarga elétrica após um cabo de energia se romper. Devido ao impacto do choque, eles foram jogados contra outros dois parceiros de corporação, que não chegaram a se ferir.

Conforme informações do jornal britânico Daily Mail, os dois oficiais da corporação que estavam no alto da escada foram levados ao Hospital da Universidade de Louisville com queimaduras pelo corpo. Segundo a polícia local, o estado de saúde de um deles é grave. Nenhum estudante se feriu.

Desafio do Gelo

O “Ice Bucket Challenge”, ou o “Desafio do Gelo”, ganhou a adesão de celebridades ao redor do mundo. A lógica é simples e se assemelha às famosas “correntes” das redes sociais: uma pessoa toma um banho de um balde de água com gelo e, logo depois, desafia outras três pessoas a fazer o mesmo. Aquele que for desafiado, tem até 24 horas para postar seu “banho” ou deve doar uma quantia em dinheiro para a campanha. Entretanto, no intuito de promover a ação, as pessoas passaram a doar mesmo após terem cumprido o desafio.

Conhecida aqui no Brasil como ELA, a esclerose é uma doença degenerativa e que não tem cura. O “desafio do gelo” teve início quando um jogador de basebol de Boston, nos Estados Unidos, foi diagnosticado com a doença aos 29 anos e teve a ideia de criar a campanha. Até agora, a ALS Association, instituição que ajuda no tratamento da esclerose, já arrecadou mais de R$ 7 milhões com a “brincadeira”.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.