Bombeiros e brigadistas voluntários tentam combater incêndio na Chapada dos Veadeiros

A Polícia Civil de Goiás investiga a origem do fogo. O cerrado brasileiro é um dos ecossistemas tropicais mais antigos e diversificados do mundo e sofre anualmente com incêndios, muitas vezes criminosos

Pelo terceiro dia consecutivo, equipes tentam combater o incêndio na Chapada dos Veadeiros, em Alto Paraíso de Goiás. Uma força-tarefa, com mais de 150 profissionais, atua no local. O efetivo inclui 65 bombeiros militares de Goiás, especialistas em combate a incêndio, 75 servidores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), nove brigadistas do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo/Ibama), de Cavalcante, além de dezenas de voluntários da região.

Ao todo, 8 mil hectares já foram consumidos, o equivalente a cerca de 8 mil campos de futebol. Por enquanto, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros continua funcionando, assim como o Parque Estadual. Nesta terça-feira, 14, o Helicóptero Bombeiro 01, do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO), reforçou o trabalho de combate ao incêndio. Ao todo, três aeronaves atuam no local.

Os esforços estão concentrados na região da Serra dos Segredos e em uma faixa entre o Vale da Lua e o Parque Estadual Águas do Paraíso. A maior preocupação agora é a preservação de casas, da pecuária, principalmente na região da Cachoeira dos Segredos, que tem um adensamento demográfico maior. Além das aeronaves, o combate ao incêndio é realizado em diversas frentes, com a utilização de sopradores, abafadores, e bombas costais.

As chamas se espalharam primeiro pela Área de Proteção Ambiental (APA) Pouso Alto, que fica na zona de amortecimento do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Na tarde de domingo, cerca de 100 turistas chegaram a ficar ilhados no Vale da Lua e precisaram ser resgatados. O Vale da Lua foi fechado no dia do incêndio e a Cachoeira dos Segredos fechou hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.