Bolsonaro diz que gostaria de doar resto do dinheiro de campanha para hospital que o operou

Apesar disso, Justiça Eleitoral veta possibilidade

Foto: reprodução

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta terça-feira (30/10), nas redes sociais, que gostaria de doar parte do que sobrou da sua campanha eleitoral para o hospital de Juiz de Fora, em Minas Gerais. No local, ele foi submetido à primeira cirurgia, logo após ao ataque em 6 de setembro, quando levou uma facada no abdômen. “[O hospital] onde eu nasci de novo”, disse.

Segundo Bolsonaro, a campanha custou aproximadamente R$ 1,5 milhão, mas arrecadou mais que isso. “Nossa campanha custou cerca de R$ 1,5 milhão, menos que a metade do que foi arrecadado com doações individuais. Pretendo doar o restante para a Santa Casa de Juiz de Fora, onde nasci novamente. Acredito que aqueles que em mim confiaram, estarão de acordo.

Proibição

Porém, a doação esbarra no veto da legislação eleitoral. Pelas normas eleitorais, as sobras de campanha à Presidência da República devem ser repassadas ao diretório nacional do partido do candidato, que ficará então responsável pela utilização, contabilização e prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

As sobras de campanha devem ser remetidas, portanto, para o PSL, segundo a lei.

Também nas redes sociais, Bolsonaro voltou a apelar por união no país. “Somente com a união, num Brasil propositalmente estimulado para ser dividido, resgataremos nosso país.”

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.