Bolsonaro discute articulação da votação de reforma da Previdência com ministros

Texto deverá ter uma autorização para os estados cobrarem alíquota extra dos servidores a fim de cobrir o rombo da Previdência

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na véspera de entregar a proposta de reforma da Previdência ao Congresso, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) vai reunir nesta terça-feira, 19, o Conselho de Ministros no Palácio do Planalto. Nessas reuniões, o presidente tem debatido com sua equipe as ações e metas dos primeiros 100 dias de governo.

Esta será a primeira reunião ministerial do presidente após a internação no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, no último dia 27 de janeiro. Bolsonaro foi submetido a uma cirurgia para retirada da bolsa de colostomia e teve alta na última quarta-feira, 13.

O presidente deve colocar seus ministros a par dos principais pontos da reforma e do processo de articulação da votação da proposta de emenda constitucional (PEC) no Congresso. Está previsto um pronunciamento de Bolsonaro, nesta quarta-feira, 20, para informar a população sobre a necessidade da reforma e o que será alterado no sistema de aposentadorias do país.

A proposta do governo prevê idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres dos setores público e privado, com 12 anos de transição para quem está próximo dessas idades. A estimativa de economia com a aprovação da reforma é de R$ 800 milhões a R$ 1 trilhão em dez anos.

O texto deverá ter uma autorização para os estados cobrarem alíquota extra dos servidores públicos a fim de cobrir o rombo da Previdência estadual. Os governadores vão se reunir em Brasília, nesta quarta-feira, para debater a proposta com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

jessica de moura santos

único comentário que posso deixar é que o brasil é uma vergonha NACIONAL, nossos idosos muitos trabalharam a vida toda e não tem assistência medica digna, não tem uma aposentadoria digna, hoje querem essa reforma devido ao rombo que se encontra a previdência, mas porque será que ela esta com esse rombo…. uma coisa garanto não somos nós cidadãos trabalhadores honestos que fizeram este rombo…