Black Friday em 2020 será pautada pelo comércio virtual

Especialistas também dão dicas para não se endividar com compras na data

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é ecommerce_uninter.jpg
Compras online aumentam durante pandemia | Foto: Divulgação

Embora muitas lojas físicas já tenham voltado a abrir neste final de ano, o comércio virtual se tornou um aliado do consumidor nestes tempos de pandemia. Com a chegada da Black Friday, neste dia 27 de novembro, muitas lojas virtuais estão com motivos para serem otimistas.

De acordo com estudo feito pela Neotrust/Compre&Confie, em parceria com a ABComm e com patrocínio da Elo, a data deve gerar 10,9 milhões de pedidos, número 77,2% maior comparado ao ano passado. Esse índice estimado deve ocasionar um valor de compras totais de aproximadamente R$ 6,9 bilhões,  que representa um crescimento de 77,1% em relação a 2019.

André Dias, CEO da Neotrust/Compre&Confie, explica que a Black Friday deve trazer maior circulação de dinheiro no mercado consumidor, impulsionado pelo crescimento do e-commerce durante o isolamento social. “Além de trazer mais conforto e agilidade, o ambiente online também pode gerar economia ao consumidor na hora de comprar” complementa.

Compradores devem ter atenção

Ainda que as expectativas para as vendas estejam sendo encaradas com otimismo, os consumidores devem se manter atentos às condições das lojas, na efetuação de compras na Black Friday.  Murilo Aires, advogado do escritório Dosso Toledo Advogados, recomenda que os compradores se mantenham em alerta para o preço dos produtos.

Uma empresa pode colocar preços diferentes no mesmo produto quando vendidos em pontos distintos, por exemplo, na loja virtual e na loja física. “É comum existir essa diferença e, em algumas ocasiões, os preços podem até mesmo variar entre lojas físicas distintas da mesma empresa. E isso não é errado. O preço de um mesmo produto apenas não pode variar dentro da mesma loja física”, complementa.

É importante que o consumidor acompanhe o preço do produto que pretende adquirir, antes mesmo até da Black Friday, para fazer uma escolha mais acertada e vantajosa. “Caso o consumidor constate que o valor do desconto não é real e que o produto anunciado em promoção continua com o mesmo preço de antes, pode denunciar no Procon”, recomenda o advogado.

Economizando na Black Friday

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é campinas-620x413.jpg
É importante para o consumidor se manter atento para não sair prejudicado com a Black Friday | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Além dos cuidados para não ser enganado pelos vendedores, os compradores devem ter uma visão consciente da sua condição financeira.

Luiz Henrique Garcia, CEO da QuiteJá, plataforma de negociação de dívidas, afirma que a pandemia mudou de modo geral o comportamento dos consumidores.” Muitas pessoas que não foram tão afetadas financeiramente estão aguardando a data, porém, com certo cuidado e esperando encontrar as melhores oportunidades.”

Carlos Terceiro, CEO e fundador da startup de gestão de finanças pessoais Mobills, destaca que, embora a data proporcione a oportunidade de comprar itens necessários por um preço mais em conta, o consumismo exacerbado pode ocasionar dívidas para o comprador.

Desse modo, os dois especialistas em finanças listaram algumas dicas para consumir de forma consciente e sem se endividar:

  1. Fazer uma lista: Separe os produtos por nível de prioridade. Primeiro, os itens que você realmente precisa, seguido por aquilo que você deseja, mas não é tão essencial. Por fim, vem a lista de presentes.
  2. Conferir se a loja é confiável: Na Black Friday podem surgir várias lojas de fachada ou com descontos falsos (como já citamos acima). Vale dar uma conferida no site Reclame Aqui, ou mesmo no site do Procon, que listam as lojas e avaliam a reputação delas.
  3. Estabelecer um limite: é fundamental analisar seu orçamento antes de fazer as compras. Assim, você toma ciência da sua condição financeira antes de estabelecer um teto para seus gastos e não se individar.

Black Friday em Goiás

Em nosso estado, uma das iniciativas adotadas para a data foi uma parceria entre o Sindicato do Comércio Varejista no Estado de Goiás (Sindilojas-GO) e os Correios. Através desta colaboração, as entidades esperam facilitar e agilizar o processo de entregas para os comerciantes, otimizando assim o seu serviço em uma época de tanta demanda.

O presidente do Sindilojas-GO, Eduardo Gomes dos Santos, afirma que esta parceria vem em um momento ideal, em que os vendedores se preparam para alavancar as vendas com a Black Friday no dia 27.

“Em função da pandemia, o e-commerce deve ser protagonista na Black Friday deste ano, o que demandará, claro, muito planejamento e uma logística bem aplicada nas lojas virtuais para garantir a entrega das mercadorias dentro do prazo” analisa Eduardo Santos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.