Organizações brasileiras aproveitam reunião para encaminhar carta ao presidente norte-americano, com apelo por respeito à democracia e ao meio-ambiente

Os presidentes de Brasil e Estados Unidos, Jair Bolsonaro (PL) e Joe Biden irão se reunir pela primeira vez, como contrapartida à participação do Brasil na Cúpula das Américas, organizada para que os EUA possam discutir o fortalecimento das relações geopolíticas com países da América do Sul, América Central e América do Norte. O encontro acontece no momento em que o jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista brasileiro Bruno Pereira estão desaparecidos na região do Vale do Javari, no Estado do Amazonas. Organizações brasileiras assinaram uma carta com apelo ao presidente norte-americano, pedindo cobranças de respeito à democracia e ao meio-ambiente no Brasil.

A iniciativa envolve 70 organizações, incluindo o Greenpeace Brasil, que manifestam preocupação com a possibilidade de Bolsonaro utilizar o encontro para alegar que o governo americano chancela seus atos. “Neste momento, a inflação, a fome, a violência e o desmatamento estão aumentando no Brasil. Em vez de dirigir seu país fora da crise, Bolsonaro está dando um golpe”, afirma a carta. O texto menciona ainda que o Brasil não tem se comprometido com as metas de emissões de gases do efeito estufa, o que tem agravado ainda mais a crise climática no país. “Da mesma forma, a continuação do governo de Bolsonaro condenaria a floresta amazônica e seus povos, acabando com as poucas chances que o mundo ainda tem de manter viva a meta de 1,5ºC.”
 
Segundo a coordenadora de políticas públicas do Greenpeace Brasil, Mariana Mota, o encontro entre os dois presidentes não pode ignorar o que ela considera uma política de destruição feita no país nos últimos anos. “Enquanto as taxas de desmatamento explodem no Brasil, puxando o aumento da violência, projetos de lei apoiados pelo governo federal avançam e pioram ainda mais esse cenário”, explica. Nesse sentido, ela alerta que encontros com o presidente Bolsonaro podem ser usados pelo governo para legitimar “sua política antiambiental e antidemocrática”.
 
Na última terça-feira, 7, brasileiros se manifestaram contra Bolsonaro e o desaparecimento de Bruno e Dom, em Los Angeles, nos EUA, onde será realizada a 9ª Cúpula das Américas. Um caminhão com telas de LED apresentou mensagens como “Fuera, Bolsonaro”, “Don’t trust Bolsonaro” (não confie em Bolsonaro), “Bolsonaro loves Trump” (Bolsonaro ama Trump) e de apelo pelo desaparecimento do Dom Phillips e Bruno Pereira, “Where are Dom and Bruno?” (Onde estão Dom e Bruno?). A expectativa é que o encontro também crie mais pressão para que o Estado brasileiro ofereça recursos para as buscas dos desaparecidos na Amazônia.