Base de Paulo Garcia quer mais reparos na reforma

Vereador diz que demora na tramitação do projeto na Câmara é normal devido ao alto número de reivindicações. E garante que mais demandas podem ser apresentadas

Denício Trindade afirma que base irá pedir novas alterações | Foto: Alberto Maia/Câmara de Goiânia/Arquivo

Denício Trindade diz que base irá pedir novas alterações | Foto: Alberto Maia/Câmara de Goiânia/Arquivo

Às vésperas da votação do relatório final da reforma administrativa na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) da Câmara Municipal de Goiânia vereadores da base aliada aguardam reunião definitiva com o prefeito Paulo Garcia (PT). A intenção é saber será conduzido o processo de votação e apresentação de emendas quando a proposta chegar para a primeira votação em plenário.

Por enquanto, o grupo espera a divulgação do relatório oficial do projeto, que poder ser apresentado nesta tarde ou na quarta-feira (20) pela relatora Dra. Cristina Lopes (PSDB). “Estamos aguardando justamente para poder saber o que emendar”, afirmou Denício Trindade (PMDB), em entrevista ao Jornal Opção Online nesta terça-feira (19/5).

Apesar do peemedebista alegar desconhecimento do documento por parte de toda a base, a tucana já havia apresentado em reunião relatório preeliminar na sexta-feira (15). Porém, poucos parlamentares compareceram ao encontro.

Atraso

No entendimento de Denício Trindade, a redução em 25% na perspectiva de economia a partir da aprovação da reforma administrativa é normal. “Sem dúvida, até porque a base lutou pela manutenção do quinquênio [seria reduzido de 10% para 5%], o que faz com que a reforma deixe de atingir 100% dos cortes, assim como a redução do tempo de incorporação dos servidores, que antes era de dois anos e meio e passa para dois”, pontua. O secretário de Finanças, Jeovalter Correia, disse que o valor previsto de R$ 83 milhões não será mais atingido devido ao atraso na aprovação da matéria.

O peemedebista afirmou ainda que os aliados do prefeito buscam a alteração de trecho que prevê que 80% dos servidores efetivos ocupem cargos de confiança — ao contrário dos 60% sugeridos na redação atual.

Na opinião dele, as tentativas mostram que, ao mesmo tempo, a base tenta manter direitos dos trabalhadores — especialmente para evitar desgastes eleitorais — e preservar o relacionamento com o Poder Executivo.

Denício Trindade ressalta, por fim, que será preciso buscar meio termo com o Jeovalter para assegurar a existência do Fundo Municipal do Meio Ambiente. O terceiro texto do projeto da reforma prevê sua extinção, o que seria inconstitucional, de acordo com o vereador.

Leia mais:
Reforma prevê gasto mensal de R$ 3,5 mi com comissionados
Goiânia está parando? Entenda porque a Prefeitura não vai bem
Base reivindica oito alterações na reforma administrativa
Paço Municipal procura a base para manter projeto original
“Se cortar cargos, Paulo Garcia terá mais apoio da oposição do que sua base”
Reforma administrativa: base defende manutenção de incorporações

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.