Bares e restaurantes seguirão fechados, mesmo com relaxamento do isolamento

Abrasel aponta motivos econômicos e de saúde ao optar em manter estabelecimentos fechados, mesmo se novo decreto do governo estadual permitir o funcionamento

Movimentado restaurante de Goiânia tem portas fechadas e atendimento por delivery desde o decreto estadual / Foto: Ton Paulo

Bares e restaurantes devem seguir fechados, mesmo que novo decreto do Governo de Goiás permita a retomada das atividades. A informação foi divulgada  pela presidência da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Goiás (Abrasel-GO), em nota enviada aos associados.

A decisão por manter os estabelecimentos fechados mesmo que o relaxamento das medidas de combate a Covid-19 permita, seria por motivos econômicos e de saúde. Em pontos destacados na nota, a Abrasel aponta a reabertura colocaria em risco a saúde dos trabalhadores e empresários. “Considerando, também, que estamos amparados por uma Medida Provisória que faz com que o Governo Federal pague os salários dos funcionários por um período de 60 dias. Retornando agora e chamando os funcionários de volta, perdemos o benefício previsto na MP”, enumera.

Veja nota na íntegra

Prezados Proprietários de Bares e Restaurantes do Estado de Goiás,

Na noite de quarta-feira, dia 15/04/2020, fomos informados de que o Governo de Goiás estava acenando com a possibilidade de reabrir os Bares e Restaurantes, observadas as exigências e diretrizes para que isto acontecesse.
Procuramos o Governador e perguntamos quais seriam estas diretrizes e sua assessoria nos respondeu que algumas delas seriam:

1. Mesas 2m distantes umas das outras;
2. Pessoas distantes 1m uma das outras, ou seja, em uma mesa de quatro pessoas só podem sentar duas pessoas, em uma mesa de oito pessoas, só podem sentar quatro pessoas;
3. Restaurante só poderiam operar com 50% de sua capacidade;
4. Não poderão abrir estabelecimentos com comida por kg, self-service ou qualquer tipo de Buffet;
5. Não poderão abrir restaurantes que não tenham ventilação natural e que dependam exclusivamente de ar condicionado;
6. Não poderá,em hipótese nenhuma, haver shows ao vivo e nem voz e violão em nenhum tipo de estabelecimento; para evitar aglomeração;
7. Todos os colaboradores, inclusive Garçons, deverão utilizar máscaras descartáveis;
8. A permanência máxima do cliente na casa deverá ser de 40 minutos.
9. Boates, Pubs e afins não poderão reabrir em hipótese nenhuma;
10. Em caso de desobediência de algum estabelecimento às normas descritas acima, a quarentena poderia ser retomada a qualquer momento para todo o segmento;
11. E ainda, caso a pandemia se alastre em Goiânia, será decretado novamente o isolamento.

“SE SAIR DO CONTROLE, EU VOLTO A TRAVAR TUDO.” Disse o Governador Ronaldo Caiado, inclusive no Jornal O Popular do dia 17/04/2020.

“QUANDO FLEXIBILIZAR, OS NÚMEROS VÃO CRESCER. SE GOIÂNIA CHEGAR A 100 CASOS POR DIA, ACENDE O SINAL VERMELHO COMPLETO E PARA TUDO. VAMOS RETROAGIR DE NOVO. SE SAIR DO CONTROLE, EU TORNO A BAIXAR O DECRETO COM O ISOLAMENTO.” Ronaldo Caiado – Governador – Jornal o popular – 17/04/2020.

Após este feedback da assessoria, nos informaram que teríamos que definir naquele momento a nossa posição, pois o Governador estava finalizando o texto referente a Bares e Restaurantes para publicação do Decreto. Pedimos, então, 05 minutos para que pudéssemos fazer uma reflexão.
Então partimos para algumas considerações, nos cinco minutos que nos foram dados:

1. Considerando que não temos consenso sequer em nosso grupo de WhatsApp, com aproximadamente 200 empresários e mais de 100 estabelecimentos;
2. Considerando que o nosso segmento, somente em Goiânia, reúne mais de 12.000 pontos entre Bares, restaurantes, botecos, cafeterias, pubs, etc.,com os mais diversos tamanhos de negócios, e que cada um tem a sua realidade;
3. Considerando que chegarão agora no Brasil, mais de 200 milhões de testes para COVID-19, portanto, quanto mais gente testada, maior o número de infectados, e por isto mesmo o número de 100 casos em Goiânia será alcançado facilmente nos próximos dias, seria iminente e inegável um novo fechamento em um futuro muito próximo;
4. Considerando que nos locais onde não houve quarentena para restaurantes, como Curitiba e Vitória, estão operando com uma queda de 80% a 90% do faturamento e que o prenúncio de mortalidade de empresas já ronda a casa dos 50%;
5. Considerando que em Goiânia negociamos uma CCT que nos resguardou desde antes do primeiro decreto do Governador;
6. Considerando, também, que estamos amparados por uma Medida Provisória que faz com que o Governo Federal pague os salários dos funcionários por um período de 60 (sessenta) dias. Retornando agora e chamando os funcionários de volta, perdemos o benefício previsto na MP;
7. Considerando que ingressamos com medida judicial que permitiu a suspensão de todos os protestos e inclusões no SPC e Serasa por um período de 90 dias (março, abril e maio).
8. Considerando que empregamos mais de 40.000 funcionários só na cidade de Goiânia, com impacto em mais de 200.000 pessoas diretas, que são seus familiares, e que estes, ao transitar no sistema coletivo de transportes, indo e voltando para os seus diversos locais de moradia, levando e trazendo o VÍRUS (Aparecida, Senador Canedo, Trindade, Goianira, etc.); CORRENDO O RISCO DE NOSSOS COLABORADORES E DE NÓS MESMOS CONTRAIRMOS O VÍRUS;
9. Considerando que hoje,17/04/2020, conforme o jornal O Popular, já atingimos 90% de OCUPAÇÃO DAS UTIS DISPONÍVEIS, portanto,a partir de agora, passarão a escolher quem fará uso da UTI;
10. Considerando,ao final, que diante do Decreto do Governador, temos uma oportunidade para renegociar dívidas de qualquer natureza, e se sairmos do guarda-chuva do Decreto (quarentena), estarão em nossas portas querendo receber e muitos sem crédito sequer para fazerem novas compras e suprirem os seus estoques neste momento, mesmo que de forma acanhada;

Portanto, amigos, mesmo sabendo que não seria uma atitude de UNANIMIDADE para o segmento, tivemos que decidir naquele momento e tivemos a coragem de afirmar ao Governador que quando tivermos que reabrir, que esta reabertura deverá ocorrer com a inclusão de todas e as mais diversas formas que abrangem o nosso segmento, de maneira coordenada, programada e com muita responsabilidade com nossos colaboradores, clientes, fornecedores e toda a sociedade Goianiense.
Sabemos, e temos total consciência, que teremos todos que nos reinventar e que teremos pela frente UM NOVO NORMAL.
Finalizamos com a seguinte frase:“Toda a unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar”.Sabemos que não seremos unânimes nesta decisão, e ainda não sabemos se será acatada pelo Governador, mas, ao menos esperamos ser compreendidos por todos e apoiados pela maioria.
Abraços a todos os nossos associados, e vamos continuar com serenidade e respeito ao próximo, pois o inimigo é invisível e desconhecido.Juntos venceremos este momento terrível.

Fernando Jorge
Presidente Abrasel Goiás

Newton Emerson Pereira
Presidente Sindibares Goiânia

Ronaldo Reis
Vice-presidente SindibaresGoiânia

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.